Logo
  • Demissão de Segovia do comando da PF é derrota de Sarney

    Afilhado de Sarney, diretor da PF é exonerado

    O oligarca José Sarney sofreu uma dura derrota na tarde desta terça-feira, 27. O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, decidiu trocar o comando da Polícia Federal e demitir o atual diretor-geral da corporação, Fernando Segovia, apadrinhado político e indicado para o cargo por Sarney.

    Para o lugar de Segovia, que permaneceu por pouco mais de 3 meses no cargo, Jungmann indicou o atual secretário nacional de Segurança Pública, Rogério Galloro. Antes de assumir a Secretaria Nacional de Segurança Pública, Galloro era o número 2 na hierarquia da Polícia Federal na gestão de Leandro Daiello, antecessor de Fernando Segovia.

    A demissão de Fernando Segovia veio em um momento de desgaste provocado por uma entrevista concedida por ele no início deste mês, na qual falou sobre inquérito que investiga o presidente Michel Temer e apura o suposto pagamento de propina na edição de um decreto relacionado ao setor de portos.

    Na ocasião, Segovia disse que, até aquele momento, a Polícia Federal não havia encontrado nenhum indício de irregularidade na edição do decreto, dando a entender que o inquérito conduzido pela PF poderia ser arquivado.
    Criticado, foi convocado pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, para se explicar. Disse ao ministro havia sido mal entendido e prometeu não fazer mais declarações sobre o caso.

    A exoneração de Segovia pode frustrar os planos de José Sarney de continuar aparelhando a Polícia Federal para perseguir seus adversários políticos. Como fez o agora ex-comandante logo em seu primeiro ato como diretor da PF, ao desbaratar uma atrapalhada investigação contra a saúde do Maranhão.

    Perde Sarney com essa mudança!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo