Logo
  • GAROTO MÍDIA

    O seletivo, o edital nebuloso e a propaganda enganosa do ex-presidente do Procon no MA

    Duarte Júnior precisa deixar de o “Garoto Mídia” para se transformar no deputado que se sua competência promete

    Se ao anunciar na última quarta-feira um processo seletivo para formar sua equipe de gabinete na Assembleia Legislativa, a sua ideia foi “mostrar que a política pode ser diferente”, o deputado eleito Duarte Júnior (PCdoB) acabou foi se igualando aos que fazem de seus mandatos um exercício de mídia e demagogia barata.

    Do edital do seletivo (leia Aqui) às declarações que postou em seu site (www.duartejr.com), o que se observa é um discurso personalista, consubstanciado em uma retórica social facciosa.

    Publicitada como exemplos de eficiência destinada a “cuidar das pessoas”, comprometimento com o interesse público e de resgate da credibilidade política, a proposta de Duarte Júnior em reunir “os melhores talentos e os melhores profissionais”, segundo afirma com todas as letras, é para que ele possa lutar por “um Brasil justo e contribuir com a transformação do Maranhão”.

    De acordo com Duarte Júnior a ideia é mostrar que a política pode ser diferente e destinada a cuidar das pessoas, com eficiência e comprometida com o interesse público:“Precisamos resgatar a confiança e a esperança das pessoas, e elevar o nível da política em nosso país. Para isso, precisamos contar com os melhores talentos e os melhores profissionais. Assim, poderemos lutar por um Brasil justo e contribuir com a transformação do Maranhão”.

    Tudo isso, no entanto, se esvai em fantasia na devida dimensão dos salários e do número de vagas disponibilizados. Além de serem apenas quatro, das dezenove a que todo gabinete tem direito, os cargos são de baixa patente, com soldos entre 3 e 6 mil reais; levando-se em conta as remunerações, entre 10 e 22 mil, dos dez Técnicos Parlamentares Especiais, que compõem o quadro pessoal de cada deputado.

    Ora, se dos dez especiais, cinco ganham R$ 22.885,00 e teoricamente o ordenado é de acordo com quem paga condizente à importância de quem o recebe, porque não fazer o seletivo para esses cargos?

    Essa sim seria uma grande diferença, que traria qualidade à legislatura e, por consequência, o pretendido resgate da confiança e esperança das pessoas na política como instrumento de ação de transformação da sociedade.

    Instaurar um processo seletivo para contratar um assessor de comunicação, um editor de vídeo, um assessor legislativo e um assessor técnico legislativo não passa de mero proselitismo político disfarçado de boas intenções.

    Aliás, ao que parece, o resultado do seletivo também estaria a seu critério, já que o edital não estabelece uma comissão de avaliação, tampouco os pesos de cada fase do processo, que inclui prova de título, prova prática e entrevista.

    Por não observar determinados princípios constitucionais que garantam tratamento isonômico e iguais oportunidades de acesso aos concorrentes, a ausência de uma comissão técnica competente deixa margem a ocorrências de arbitrariedades e favorecimentos indevidos, ainda mais em se tratando de cargos políticos.

    No mesmo ambiente nebuloso, ao exigir dedicação exclusiva para além do horário regular de trabalho, o edital ignora os direitos adquiridos por quem se submete a um processo seletivo para desempenhar uma função pública. 

    Mas o que dizer de um edital cujo o primeiro e longo inciso do artigo inicial se decida a traçar loas ao deputado mais “votado da história de São Luís”?

    Com competência e dedicação comprovadas ao serviço público, o ex-presidente do Procon tem tudo para ser um grande deputado; mas precisa entender que diferença na política se faz através de um discurso arraigado na verdade e na realidade dos fatos, sem cair na tentação da falsa glória pela qual muitos tentam manipular e convencer o eleitorado da importância transformadora de suas propostas.

    Do contrário, assim como seu seletivo, o mandato de Duarte Júnior será no mínimo uma peça de propaganda, típica de quem foi apelidado de “Garoto Mídia”.

    Afinal, a relação entre prática e discurso revela quem a pessoa é!

      

    1 comentários para “O seletivo, o edital nebuloso e a propaganda enganosa do ex-presidente do Procon no MA

    1. Aline disse:

      Ele não te ofereceu boquinha no gabinete, pensas que eu não sei?

      É por isso que Gilberto Leda te chama de “Bobone.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo