Logo
  • Investigado

    Promotor que criou tese de “estupro culposo” é investigado no CNMP

    247 – O promotor Thiago Carriço de Oliveira, que atuou no caso de Mariana Ferrer e qualificou o crime cometido contra ela como “estupro culposo”, é investigado pela Corregedoria Nacional do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) desde outubro.

    A apuração tramita em sigilo. A reclamação disciplinar foi instaurada no dia 9 de outubro pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado por Damares Alves.

    O CNMP solicitou informações da corregedoria-geral do Ministério Público do Estado de Santa Catarina, do qual o promotor faz parte.

    Nesta quarta-feira, 9, o juiz Rudson Marcos, da 3ª Vara Criminal de Florianópolis, absolveu o empresário André de Camargo Aranha por falta de provas. O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), seguindo a tese da defesa, julgou improcedente a denúncia.

    O ato foi classificado como “estupro culposo”, “crime” não previsto em lei e que indica um suposto ‘estupro sem intenção.

    O conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Henrique Ávila editou representação para que a corregedoria do órgão analise a conduta do juiz Rudson Marcos e do promotor que participaram do julgamento do caso de estupro da influencer Mariana Ferrer.

     

     

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo