Logo
  • Zé Reinaldo: rompimento sem diálogo

    A saída do deputado Zé Reinaldo do grupo político liderado pelo governador Flávio Dino pegou de surpresa o meio político, mas já vinha se desenhando pela atitude solitária dele próprio.

    Vários líderes lamentaram a saída, mas sobretudo enfatizaram que foi um movimento equivocado do ex-governador.

    Lembram que a composição da chapa majoritária nunca foi uma decisão pessoal do governador Flávio Dino, mas dos mais de 10 partidos que integram o grupo.

    O que os líderes partidários também tem lamentado é o fato de Zé Reinaldo não ter esperado a decisão do grupo. “Nunca houve qualquer negativa à pretensão do Zé Reinaldo, estávamos e estamos aguardando a evolução no colégio partidário “, disse um deles que prefere manter reserva por enquanto.

    As decisões, esclarecem, são sempre coletivas e movidas por objetivos coletivos e não vontades individuais “Ele( Zé Reinaldo) que está rompendo porque quer impor a vontade dele”, resumiu outro líder que integra a coalizão partidária de apoio a Flávio Dino.

    5 comentários para “Zé Reinaldo: rompimento sem diálogo

    1. claudionor disse:

      o cara ignora o pai politico dele e nego agora vem com esse pago….
      mais uma cagada do teu patrao, blogueiro….. MJ vai enterrar FD igual fez com Jomar kkkkkkkkk

    2. José Manoel Mendes Paiva disse:

      De certa forma a coligação dinista fica mais leve. A dissidência de José Reinaldo com o grupo Sarney tinha prazo de validade e este prazo já venceu. Ele está alinhadíssimo à linha política liderada pelo antigo aliado.

    3. jose carlos silva disse:

      Garrone, vc sabe perfeitamente que esses partidos que acompanham o Flávio não decidem nada, apenas OBEDECEM o que determina o Dino. Aliás, o Flávio foi totalmente ingrato com o Zé Reinaldo, pois o mesmo jamais seria deputado não fosse o Zé Reinaldo. Simples assim.

    4. GERARDE disse:

      Acho que o deputado Ze Reinaldo, deve ter se arrependido amargamente de ter deixado
      o grupo Sarney.
      Também esqueceu o que a oligarquia fizera com ele e Alexandra Tavares.

    5. Gustavo Lopes disse:

      O curioso que a escolha prematura do Weverton Rocha não esperou “colegiado” foi de apadrinhado mesmo… kkk conta outra

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo