Logo
  • INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

    Vereador acusa Mical Damasceno de estar por trás de ataque à terreiro de matriz africana

    Jhonatan e Mical Damasceno

    O co-vereador Jhonatan Soares (Coletivo Nós-PT) responsabilizou a deputada Mical Damasceno (PTB) pelos ataques sofridos por terreiro de mina no bairro da Vila Nova. No último final de semana imagens dos orixás personificados nos santos católicos quebrados e o telhado da casa onde funciona o terreiro praticamente destruído.

    Jhonatan demonstrou a sua preocupação com o que considerou um levante de intolerância religiosa contra os terreiros de matriz africana em São Luís, incentivados por uma deputada estadual.  E cobrou uma ação mais concreta do governo do Estado para conter a parlamentar.

    “Quando a gente vê autoridades públicas se levantando, incitando ações criminosas, o nosso Estado precisa tomar uma atitude, inclusive o Coletivo Nós exige que o Estado do Maranhão, através da secretaria de segurança da secretaria de direitos humanos de igualdade, tome algum posicionamento em relação à atitude dessa deputada”, avisou.

    Jhonatan: “Ela não pode ir travestida de culto religioso disseminar o ódio contra terreiros”

    Na mesma quarta-feira da sessão da Câmara, representantes do governo, de entidades defensoras dos direitos humanos e dos terreiros de matriz africana, se reuniram para traçar uma rede de apoio e combate à intolerância religiosa.

    O número de ataques às casas de culto afro em São Luís aumentou assustadoramente em 2021. Segundo a Secretaria de Estado Extraordinária de igualdade Racial, cinco casos foram registrados em 2020, e, em apenas dois meses deste ano, ocorreram quatro atentados contra os terreiros de matriz africana na capital.

    O delegado Agnaldo Timoteo, da Delegacia de Crimes Raciais, Delitos de Intolerância e Conflitos Agrários, Antonio Carvalho, que participou da reunião de forma online disse que alguns suspeitos já foram ouvidos.

    Mical Damasceno diz que pai de santo estava com o demônio

    Em vídeo que circula nas redes sociais, a deputada Mical Damasceno em pronunciamento inflamado na sessão da Assembleia Legislativa do último dia 6 de julho, disse que o pai de santo João Curador estava com o cão, o demônio, ao tentar inibir culto evangélico em frente a “uma casa que não tinha nenhuma identificação de ser uma casa de culto de matriz africana”.

    Damasceno fazia referência a conflito anterior quando grupo de evangélicos foi à Vila Nova realizar, “como sempre faz em vários bairros”, pregações religiosas.

    A confusão começou quando o grupo ligou o carro de som. Damasceno diz o pai de santo não é um cidadão de bem. É um bandido que ameaçou cravar de balas os evangélicos, caso eles voltassem ao local.

    O Coletivo Nós é o nome do grupo que reúne seis representantes das comunidades da periferia e área rural da capital em só mandato, conferido pelas urnas de 2020. Além de Jhonatan, Delmar Matias, Eni Ribeiro, Eunice Chê, Raimunda Oliveira e Flávia Almeida compõem o coletivo.

     

     


    • ERREI Ao contrário do que foi publicado o nome do titular da Delegacia de Crimes Raciais, Delitos de Intolerância e Conflitos Agrários não é Antonio Carvalho, mas Agnaldo Timoteo. Correção feita às 00:40 do dia 16 de julho.

    5 comentários para “Vereador acusa Mical Damasceno de estar por trás de ataque à terreiro de matriz africana

    1. Carlos Saturnino Moreira Filho disse:

      Absolutamente inaceitável. Não é possível conviver civilizadamente com esse tipo de procedimento intolerante, desrespeitoso e destrutivo, em suma, criminoso, e permanecer calado. Os bandidos – sim, bandidos – que promoveram esse assalto devem ser procurados, achados e punidos exemplarmente. O mesmo direito que os templos católicos, protestantes, espíritas, budistas, etc. tem, os terreiros das religiões de origem africanas também têm. Igualzinho, sem tirar nem por. E o pior é que todos sabem a proveniência dos ataques. CHEGA, CHEGA, CHEGA. Cadeias com esses infratores escancarados da lei. Minha solidariedade às vítimas desses brutais ataques.

    2. Eliane disse:

      O que entendi que essa senhora foi eleita só p defender lutar pelos evangélicos e isso ?

    3. Nilce disse:

      Então, o homem tenta incendiar o pessoal e ele que é a vítima?

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo