Logo
  • Sintomas da depressão: a raiva de Sarney com a alegria que contagiou o pré-carnaval

                 Sarney: ódio e incapacidade de entender a alegria do pré-carnaval

    Em mais uma pérola, o sem mandato José Sarney escreveu na sua coluna no jornal O Estado do Maranhão sobre o carnaval maranhense, e como sempre, inventa, mente e desvirtua.

    Corroído pelo sucesso do pré-carnaval e o retorno da população às ruas do centro histórico e bairros como a Madre Deus e Cohatrac, o velho morubixaba no afã de jogar confetes e serpentinas em sua filha Roseana Sarney revela-se um sujeito deprimido, que como tal, não compreende e tem raiva da alegria alheia.

    Onde já se viu, o seu mundo desabando e o ludovicense pulando carnaval!

    Era só o que faltava!

     A Banda Bandida fazendo a festa da multidão que se concentrou na Praça João Lisboa

    Com a cara dura de sempre, citou uma pesquisa sem nenhuma procedência sobre o humor do povo, que registra um alto grau de desencanto e tristeza, para justificar sua dificuldade em entender “como a alegria começa”, diante do “clima das pessoas, com sentimentos quase todos negativos”.

    Segundo o levantamento que ele diz ter em mãos, 26% da população se diz envergonhada; 20%, preocupada; 13%, triste; 11% com raiva; 10%, esperançosa; 6%, tranquila; 5%, com medo; 2%, alegre, e 0% orgulhosa!

    A sua dificuldade em entender “como a alegria começa”, é a mesma que não lhe permite, por exemplo, compreender o que levou o maranhense Raimundo Nonato Alves da Conceição a sequestrar em 29 de setembro de 1988 o voo 375 da antiga Vasp para jogar contra o Palácio do Planalto!

    Logo contra ele, um presidente que prestou grandes serviços ao País!

    Sarney concebe o mundo a partir do próprio umbigo, o que embaça até mesmo alguma importância que teve Roseana na restauração das festas populares na década de 90, como afirma em sua picardia carnavalesca.

    O investimento da ex-governadora na cultura popular foi por ingerência de um movimento de resgate das tradições populares formado por artistas e intelectuais da cozinha de sua mansão no Calhau.

    Embora seja inegável que à época a população redescobriu o carnaval de rua, também não se pode negar a falta de consistência desse projeto, que não resistiu ao tempo e ao final só beneficiou os próprios idealizadores.

     A Só Safados foi outra banda que movimentou milhares de foliões no centro histórico

    Sinônimo de alegria, o carnaval não é apenas resultado de uma política cultural, mas de toda uma política de governo e na confiança que nele se deposita.

    Cabeças degoladas em Pedrinhas, violência ao extremo, denúncias de corrupção, fizeram com que rapidamente se perdesse a euforia e o reinado de Momo entrasse em decadência em São Luís.

    Sarney sabe disso, e por isso mesmo, o seu ódio. O retorno da população às ruas não é consequência do competente modelo aplicado pela Secma, que pouco se difere do passado, mas da credibilidade conquistada pelo governo Flávio Dino.

    Ficou para o final do artigo, um momento de rara transparência do carcomido oligarca, quando revela o desejo do clã por um reduto seguro para que a nobreza possa brincar o carnaval, junto aos seus: “para ter mais alegria, só precisa que o PH ressuscite o Bloco do Ponto.Com.”!

    Não é à toa que as imagens que marcaram esse pré-carnaval foram a de Roseana cantando no almoço promovido pelo colunista e a de Flávio Dino tocando percussão na Praça Nauro Machado, em meio ao povo.

    Veja os vídeos!

     

    OBS: O título do vídeo de Rosena revela a origem de quem o postou no Youtube  

    2 comentários para “Sintomas da depressão: a raiva de Sarney com a alegria que contagiou o pré-carnaval

    1. ALELUIA LEONARDO DE MELO disse:

      AZUL…DA..COR..DO..MAR..

    2. Claudinor disse:

      Só bloco particular
      Onde tem programação feita pelo governo, blogueiro?!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo