Logo
  • ALIBE FURADO

    Semus nega 2ª dose de vacina e tenta livrar-se da culpa vazando ofício com data de feriado para culpar governo

    Policiais armados retiram motorista da fila de vacinação
    Eduardo Braide

    O vídeo publicado pelo blog registrando que a prefeitura de São Luís, além de negar a segunda dose, mandou a polícia retirar motorista que buscava se vacinar, foi devastador.

    Pior, no entanto, foi justificar a não aplicação da vacina, porque o motorista tomou a primeira dose em Paço do Lumiar; tendo mais de 200 mil doses no estoque.

    Isso mesmo, a prefeitura deixou de imunizar uma pessoa por problema meramente burocrático que poderia ser resolvido depois junto à Secretaria de Estado da Saúde. Bastava registrar o ocorrido com a assinatura e número de documentos do motorista e solicitar a reposição da dose aplicada.

    Mas não. Resolveram politizar a questão, culpando o governo Flávio Dino, de não completar o ciclo de vacinação iniciado. O estado promove uma série de ‘arraiais’, no intuito de acelerar a vacinação nos municípios, à exemplo do armado no Pátio Norte, em Paço do Lumiar.

    A prefeitura de São Luís preferiu livrar-se da culpa apontando o culpado, do que garantir a vida da vítima. Para não correr o risco de morte por Covid-19, ela buscou e lhe foi negada, proteção em um posto de vacinação na capital.  

    Como dizem que vergonha pouca é bobagem, a Secretaria Municipal de Saúde vazou ofício de 6 de setembro, solicitando providências ao secretário de estado, Carlos Lula. A data foi ponto facultativo tanto no Governo, quanto na Prefeitura.

    Sem carimbo do protocolo, o documento foi publicado nas redes sociais no dia 9, quarta-feira, primeiro dia útil depois do feriadão. Era a prova de que se o governo quisesse realmente resolver o impasse da 2ª dose, poderia ter resolvido.

    O desplante, o cinismo e a hipocrisia não estão na data do ofício, mas na solução apresentada pela Semus.

    O secretário Joel Nunes requer que seja repassado ao município o mesmo quantitativo de primeira dose aplicada pelo estado em São Luís. Dono de uma imaginação fertilizada, ele considera que “grande parte” do público vacinado pela SES, “tem procurado os pontos de vacinação do município para a realização da segunda dose”.

    Quer dizer, então, que o caso do motorista do vídeo, não foi o único?

    Que a prefeitura deixou muitas outras pessoas entregues à própria sorte, só porque a primeira dose foi aplicada pelo governo Flávio Dino?

    Quem mandou votar em comunista!

    Com sua capacidade de enxergar o sucesso da vacinação no rosto alegre da população, Nunes foca somente os braços imunizados pelo governo. Ignora quem foi vacinado pelas prefeituras do interior e também teve negada a 2ª dose.

    O correto seria propor à Comissão Intergestores Bipartite a criação de uma espécie câmara de compensação. A CIB é um fórum permanente de discussão, pactuação e deliberação em âmbito estadual, abrangendo as esferas de gestão do SUS no estado e nos municípios.

    Midiática por natureza, a abordagem correta do problema não permitiria a prefeitura lavar as mãos, tampouco alimentar a propaganda enganosa do prefeito Eduardo Braide. Canais oficiais do palácio La Ravidière divulgam que as pessoas que tomarem a primeira dose em outro estado ou município podem tomar a D2 em qualquer posto na capital da vacina.

    A falta de sintonia acabou revelando o programa de sua própria desventura. Pelo menos na perspectiva humana da população a ser protegida contra a Covid-19 e suas novas cepas ameaçadoras.

    As pessoas passaram a receber o tratamento conferido às mercadorias, a uma peça de joguete político, ignorantes a serem manipulados.

    2 comentários para “Semus nega 2ª dose de vacina e tenta livrar-se da culpa vazando ofício com data de feriado para culpar governo

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo