Logo
  • Roberto Rocha quer acabar com os capelães religiosos

    Roberto Rocha durante evento de Alckmin: ataques contra o governo e fim das Capelanias

    O presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) esteve em São Luís neste final de semana em agenda nacional da sua pré-candidatura. Recepcionado pelo presidente tucano no Maranhão, o senador Roberto Rocha, o ex-governador de São Paulo passou dois dias ouvindo seus partidários atacarem o governo Flávio Dino.

    Um dos que mais dedicou seu tempo a fazer investidas contra o Estado foi o próprio Roberto Rocha. Pré-candidato ao governo, o senador confirmou que, se eleito, acabará com os serviços das Capelanias no Sistema de Segurança do Maranhão.

    “Geraldo Alckmin administrou um estado que tem 130 mil policiais. Maior do que o exército da Argentina. E ele acabou com capelão no estado de São Paulo”, disse orgulhoso Roberto Rocha ao se referir aos responsáveis por levar a palavra de Deus, o aconselhamento espiritual, bem como a assistência aos familiares daqueles que são servidores públicos ou apenados pela justiça.

    As palavras de Roberto Rocha demonstram que ele acha que a religião não ajuda a Segurança Pública. Mesmo o Maranhão sendo exemplo de queda da criminalidade em todo o Brasil.
    Com números muito melhores do que São Paulo, por exemplo, com queda de 26% ante 4,65% da capital paulista na comparação entre os anos de 2016 e 2017, o estado administrado por Flávio Dino é, hoje, referência na área de segurança em todo o país.

    2 comentários para “Roberto Rocha quer acabar com os capelães religiosos

    1. cara de rato!!! ,tu joga baixo.

    2. Lobo disse:

      Faz bem. Polícia religiosa tem a Arabia Saudita, o Irã e outros nesta linha. A Repúblika Demokratica do Maranhão é, pelo que consta, laica.
      Pobre Maranhão…

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo