Logo
  • O desvirtuamento do papel das blitzen e do BPRV em São Luís

    Sarneysistas atacam aplicação das leis pelo BPRV

    Veículos de comunicação ligados a oligarquia Sarney e oposicionistas do atual governo abriram uma verdadeira cruzada contra o trabalho do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRV), em São Luís. Desvirtuando completamente o objetivo principal da unidade, que é zelar pela segurança e cumprimento das leis. Contrários ao governador Flávio Dino atacam dia e noite a ação do Batalhão como se esta se resumisse apenas a aplicar multas.

    Área completamente desorganizada no passado e que nunca fez parte do planejamento estratégico das Forças de Segurança do Estado, as blitzen hoje integram um conjunto de ações para a melhoria do patrulhamento policial da capital e cumprem importante papel na diminuição da violência observada na comparação entre os anos de 2014 e 2017, em São Luís.

    Além de inibir a criminalidade, que anda também sobre rodas, o BPRV tem salvado milhares de vidas com a realização de várias blitzen da Operação Lei Seca. A atitude enérgica do Batalhão contra a proibida combinação de direção e álcool tem cumprido, inclusive, papel de conscientização de motoristas, que hoje já preferem usar táxi e aplicativos, andando conforme a lei.

    A batalha travada para desvirtuar mais uma ação exitosa de governo passa pelo processo de desvirtuação dos objetivos principais e da importância do BPRV. Os resultados são visíveis, o que deixa a oposição estrebuchando ainda mais. Os sarneyzistas defendem com unhas e dentes a improbidade, já que durante décadas se locupletaram dela para enriquecer às custas do dinheiro público.

    O cidadão de bem, correto, aplaude as ações que estão sendo fundamentais para a segurança e o salvamento de vidas no trânsito do Maranhão.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo