Logo
  • Justiça bloqueia bens do marqueteiro de Roseana, Antônio Lavareda

       O marqueteiro e cientista político Antônio Lavareda foi acusado pelo seu ex-sócio de                                       estelionato e falsificação de documento particular

    Pernambuco 247 – O cientista político e marqueteiro Antônio Lavareda teve os seus bens bloqueados por determinação da juíza Roberta Viana Jardim, do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE). Lavareda é alvo de uma queixa-crime registrada pelo seu ex-sócio do Banco Gerador, o empresário Paulo Sérgio Macedo. O banco que foi vendido para o Grupo Agiplan, em maio de 2016.

    Macedo acusa Lavareda, que também é apresentador do programa ‘Ponto a Ponto’, exibido pela BandNew, pela suposta prática dos crimes de “estelionato e falsificação de documento particular”, segundo o site O Antagonista.

    Por meio de nota, o advogado Fernando Friedheim diz que Lavareda é vítima e criticou Macedo.

    Confira a íntegra da nota.

    Com referência à portaria sobre representação criminal e notícias acerca de procedimentos judiciais envolvendo fatos e sócios do Banco Gerador, tem-se a esclarecer o seguinte:

    1. Existe uma completa inversão dos fatos nas notícias e procedimentos divulgados na imprensa e redes sociais, no caso do Banco Gerador, pois ele sempre foi gerido pelo executivo Paulo Dallanora e levado a uma situação de notória insolvência, com grandes prejuízos, especialmente ao acionista Antônio Lavareda, que jamais participou da gestão do banco.

    2. Portanto, diante das recentes desarrazoadas agressões e procedimentos injustificados, carentes de qualquer subsídio fático e jurídico, estaremos em breve ajuizando, dentre outras, ação judicial onde será demonstrado que Antônio Lavareda, além de ser o maior prejudicado, está sendo vítima de acusações injuriosas.

    3. Ressalte, por fim, que o conteúdo vazado nas redes sociais não atesta a existência de qualquer ação penal instaurada em seu desfavor, muito menos condenação judicial, mas tão somente procedimentos de cunho particular, refletindo a iniciativa insidiosa dos autores.

    Fernando Friedheim

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo