Logo
  • UMA COR PARA CADA ESTAÇÃO

    Juscelino, Detinha, Lucyana Genesio e Cléber Verde ‘viraram negros’ nas eleições de 2022

    Nas eleições de 2018 Juscelino Filho e Cleber Verde, eleitos deputados federais, Maria Deusdete Lima Cunha, a Detinha, estadual, e Lucyana Genésio (suplente de senador) se declararam brancos nas urnas.

    Quatro anos depois, esses mesmos candidatos se declaram pardos. A classificação racial no registro de candidaturas segue o modelo do IBGE, que considera que pessoas pardas e pretas são negras.

    Essa mudança repentina de cor desperta curiosidades, pra não dizer suspeitas, e questionamentos.

    Afinal, o que levou esses candidatos a mudar de raça?
    Será que eles esperam obter benefícios de políticas afirmativas, obrigadas aos partidos?

    Ou será que nesse período caíram na real, criaram vergonha, criaram consciência de raça, ou quem sabe, até porque ficou em moda, fizeram uma autocrítica?

    Não há uma cota de vagas para candidatos negros, igual as universidades e concursos públicos, tampouco os partidos são obrigados a registar determinado número de candidatos negros.

    O que de novo há, e começa a vingar nessas eleições , é a distribuição de maneira proporcional aos candidatos negros das verbas do Fundo Especial de Financiamento de Campanha e do tempo de propaganda eleitoral gratuita no rádio e TV, de acordo com decisão do TSE.

    Nestes casos, embora seja uma consequência, as distribuições de verbas e tempo de mídias não são distribuídas por cor da pele, mas são determinadas pelo caciquismo, por quem mais manda, pelos donos apelidados de presidentes do partido.

    No entanto, a nova regra, pode facilitar que se mantenha os mesmos privilégios, agora porque os privilegiados são negros.

    Juscelino Filho é primeiro vice-presidente regional (mas na verdade é quem manda) do União Brasil, Cleber Verde é presidente regional do Republicanos, Lucyana Genésio é irmã do prefeito de Pinheiro Luciano Genésio, forte cabo eleitoral de Weverton Rocha, o mandão do PDT.

    Deputada estadual, o caso de Detinha é especial. Ela é esposa de Josimar Maranhãozinho, presidente do PL. Os dois são candidatos à deputado federal. Pela primeira vez no Maranhão um partido vai deixar de eleger dois candidatos, para eleger um casal para deitar e rolar na Câmara Federal. Dois votos em um!

    O TSE não estabeleceu quais os critérios para autodeclaração e não há previsto nenhuma fiscalização.

    Candidatos declaram e ficam milionários a cada reeleição e ninguém faz nada.

    Mudar de raça, mudar de cor, é troco.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo