Logo
  • Juíza de Coroatá mente ao acusar Associação dos Magistrados

    Ofício foi recebido na AMMA às 08h05. Nota da entidade foi emitida às 07h20

    A juíza de Coroatá que tem relações próximas ao grupo Sarney escondeu do público maranhense o apoio que recebeu da Associação dos Magistrados do Maranhão. Em nota divulgada às 7h20 no site oficial da associação, o juiz Ângelo Santos (presidente dos magistrados) fez uma defesa aberta de Anelise Reginato, depois das críticas que ela vem recebendo pela ligação com o grupo Sarney.

    Mas a meritíssima tem dado outra versão à imprensa aliada do grupo Sarney e, uma hora depois da publicação da nota oficial, enviou pedido de desfiliação da AMMA afirmando que não teve apoio que merecia. Ou seja: ela alega que não recebeu apoio, mas sua desfiliação foi pedida mesmo depois da AMMA publicar nota oficial.

    As informações trazidas na nota assinada pelo juiz Ângelo Santos também mostram que, desde o primeiro dia em que a juíza de Coroatá foi criticada por jornalistas que descobriram sua ligação estreita com os Sarneys, a Associação atuou de perto para defendê-la, apoiando financeiramente e com a estrutura da associação. A versão é bem diferente do que diz Anelise Reginato.

    E mais peças começam a se encaixar. Ao mesmo tempo em que criticou a AMMA, a juíza compartilhou com blogueiros e com deputados sarneysistas seu pedido de desligamento da entidade. Um dos primeiros a se pronunciar foi o deputado Edilazio Junior, que é genro de Nelma Sarney. Demoraram poucos minutos entre o pedido da juíza e a postagem de Edilazio no instagram, em sua defesa. Parece até que foi combinado!

    3 comentários para “Juíza de Coroatá mente ao acusar Associação dos Magistrados

    1. jose carlos silva disse:

      Garrone, o encaminhamento do ofício pedindo desfiliação foi encaminhado eletronicamente às 7 horas e 04 minutos (veja sua própria postagem), carimbo no papel a gente coloca o horário que bem convém. Cuidado com a PARCIALIDADE.

    2. Jorge Coutinho disse:

      Garrone então podemos deduzir que a juiza Anelise Recinto é Sarneysta e o magistrado Ângelo Santos é aliado ao governo atual. Que tristeza saber que o poder judiario que deveria ser independente e autônomo, possui lados para os diversos interessados, que vergonha triste. Por isso sou a favor da quebra de privilégios. Portanto, Juiz que tem partido deve ser preso ou punido assim como qualquer pessoa ou profissional que acoitasse erros que prejudicam a sociedade. Assim, imprensa, judiciário, promotorias, OAB e outros precisam assumir suas responsabilidade e ficar do lado de um só partido “O POVO”. Prof. Jorge Coutinho – SLZ/MA

    3. Ricardo disse:

      Talvez você precise trocar seus óculos. Sequer percebeu que o documento da juíza fora assinado às 07h04, está lá no próprio documento que você publicou. Quando assinado ele é enviado eletronicamente e não físico, como quer fazer crer. Agora se alguém na AMMA imprimiu posteriormente e carimbou somente às 08h00 é outra questão.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo