Logo
  • Flávio Dino: prisão em segunda instância se explica ‘por ansiedade ou parcialidade’

    O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), publicou em rede social críticas à decisão de decretar a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Prisão antes mesmo de esgotados recursos em 2ª instância e antes de finalizado o debate constitucional no Supremo só se explica por ansiedade ou parcialidade. Ou os 2 erros simultaneamente”, escreveu Dino, também ex-juiz federal.

    Ele também comentou, sem citar o nome de Sérgio Moro, a fala do juiz sobre recursos à Justiça. “O juiz acha que um recurso é uma ‘patologia a ser varrida’. Então resolve ele mesmo ‘varrer’. Ocorre que ele não tem essa competência constitucional, pois ele não foi eleito membro do Congresso Nacional, nem é ministro do Supremo”, argumentou.

    Dino fez ainda uma ponderação sobre o momento do país e o papel da Justiça. “Cabe ao Judiciário tentar pacificar a sociedade e não jogar lenha na fogueira de paixões políticas. É um desserviço à Nação e à união entre os brasileiros agir de modo precipitado, por antipatias ou vaidades pessoais”.

    Do Rede Brasil Atual 

    1 comentários para “Flávio Dino: prisão em segunda instância se explica ‘por ansiedade ou parcialidade’

    1. Lobo disse:

      O Camarada FD deveria estar era cuidando da calamitosa situação em que se encontra Marajá do Sena – mas, quanto a isso, claro, nenhuma palavra ou preocupação. Afinal de contas, são apenas maranhenses – deixa que a equipada e rica prefeitura de Marajá providencie as demandas da população. O Camarada FD parece desejar ardentemente integrar a defesa de Lula. Se é isso, renuncia ao Governo e vai à luta, companheiro. Melhor: faz como Suplicy – pede para ficar preso com Lula.
      Pobre Maranhão…

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo