Logo
  • Fiocruz alerta: fim do foro privilegiado pode provocar extinção em massa em Brasília

    VEM, METEORO – “É um drama dantesco, equivalente ao que foi vivido pelos dinossauros quando um asteróide caiu na Terra, 65 milhões de anos atrás.” A frase abriu o texto publicado pela Fiocruz, hoje de manhã, para alertar sobre o desequilíbrio ambiental que pode decorrer do fim do foro privilegiado. O tema, em pauta no STF, pode resultar na extinção de ministros, deputados, senadores e ocupantes de cargo de confiança em Brasília.

    “A natureza e o STF são inclementes”, explicou Elsinho Mouco, o marqueteiro e biólogo do Planalto. “Temos aqui em Brasília um bioma harmônico, que funciona em perfeito equilíbrio há décadas. E então vem essa regra nova, do nada, que pode resultar na extinção em massa dos dinossauros do PMDB, do PT e do PSDB. É muita crueldade.”

    Elsinho Mouco disse que a extinção deve ser gradual, de baixo para cima, como costuma ocorrer na natureza. “O primeiro a ser comido vai ser o Aécio”, explicou, citando o famoso evolucionista Romero Jucarwin. “Depois, sem os Aécios como fonte de alimento, morrem também os Joesleys e os Gilmares.” O passo final será a aniquilação do Temerossaurus-Rex. “Isso, claro, se ele não evoluir no Sarneyssauro, que está aí desde a extinção anterior.” (The Piauí Herald).

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo