Logo
  • Deu no D.O.

    Na semana do Sábado de Aleluia, a coluna Deu no D.O., publicada pelo blog, com os contratos dos nossos santificados gestores públicos, traz o custo de alguns banquetes a Momo. Na Via-Crúcis as prefeituras de Coroatá, Pinheiro, Alto Alegre do Pindaré, Monção, Cururupu, Santa Helena, Grajaú, Maracaçumé e Governador Eugênio de Barros. Mas, na sexta, foi Jesus quem morreu crucificado…

    A vida é uma festa I – O reinado de Momo em Coroatá fez balançar as contas públicas e alimentou o bucho de bandas descartáveis em seus estados de origem. A folia saiu por animados R$ 644.500,00 referentes ao contrato com a Edmar Nascimento Rios – EPP para organizar a folia.

    A vida é uma festa II – Já em Pinheiro a alegria dos produtores foi maior, seja pela repetição da velha fórmula de contratar bandas de qualidade duvidosa a preços teoricamente exorbitantes, seja pelo contrato de R$ 1.490.000,00 faturado pela Garcia Produções e Eventos Eireli-ME a título de comandar a festa.

    A vida é uma festa III – Em Alto Alegre do Pindaré o investimento no carnaval foi mais modesto e o contribuinte desembolsou R$ 380.229,00 pela contratação da I A Ribeiro – Organizações e Publicidade – ME, responsável pela realização do festejo.

    A Vida é uma festa IV – Teoricamente contratada para produzir eventos festivos no município de Monção, a Leomar da Silva Pereira e Cia Ltda – ME deve brincar o carnaval o ano todo com o R$ 1.350.976,00 que faturou. Não faltarão motivos para a alegria.

    A vida é uma festa V – Onde também deve ter festa o ano todo é em Cururupu. É carnaval, é lava prato, lava xícara, lava pires, e se brincar lava jato, depois que a prefeitura contratou a Kavasaki Promoções e Eventos Eireli – ME para realizar as festividades do município por R$ 1.104.200,00.

    A vida é uma festa VI – Não se trata do milagre da multiplicação dos pães, mas a prefeitura de Santa Helena engordou o Rei Momo e a J.J. do Carmo Produções – ME com R$ 600.000,00 em folia de um carnaval sem a cara do Maranhão.

    Só muito gesso – Enquanto isso, Grajaú só perde para Hollywood depois que contratou a Premier Vídeo Comunicação LTDA – ME para “prestar serviços técnicos de comunicação audiovisual” pelo cachê de R$ 306.900,00. Resta saber se serão produzidos vídeos ou placas informativas para orientar e evitar que a população se perca entre os corredores dos prédios públicos.   

    Vassoura mecanizada I – Mas quem encontrou o pote no final do arco-íris em Maracaçumé foi a L. A. Meireles Gomes Empreendimentos e Construções, que arrematou dois contratos somados em R$ 3.300.634,00. O primeiro foi de R$ 1.806.724,00 pela locação de veículos de pequeno e médio porte e máquinas pesadas.

    Vassoura mecanizada II – O segundo contrato faturado pela Meireles Gomes também não é de se jogar fora. Pelos serviços de coleta e transporte de lixo, varrição, capina e pintura de meio fio e sarjeta ela vai recolher R$ 1.493.910,00.

    Na rede I – O município de Governador Eugênio Barros resolveu entrar de vez na era digital e se comunicar com o mundo. Somente para quatro secretarias, a prefeitura adquiriu R$ 1.738.913,50 em material de informática, acompanhado da garantia de manutenção, através de pregão presencial vencido de cabo a rabo pela D C Pavão Comércio e Serviços de Informática – ME.

    Na rede II – O milhar foi dividido em quatro lotes. R$ 463.512,00 foram para Saúde; R$ 485.513,00 para Educação; R$ 325.826,00 para Administração; e R$ 464.062,00 para a secretaria de Desenvolvimento Social. Agora só resta computar a entrega do material e ver se bate com a grana investida.

    1 comentários para “Deu no D.O.

    1. jose carlos silva disse:

      Garrone, faça uma garimpagem nos contratos firmados pelo Governo do Estado meu caro. Parece que os administradores do Governo do Estado são todos ” SANTOS ” . Onde está a imparcialidade? Não estou reconhecendo o ” velho ” Garrone.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo