Logo
  • Politicagem

    Áudio revela: Governo Bolsonaro já troca votos em reforma da Previdência por cargos

    Toma lá, dá cá: áudio que circula em Brasília revela um telefonema em que um aliado de Bolsonaro na Câmara afirma que ele e outros deputados já têm exigido e negociado cargos no governo em troca de votos pela reforma da Previdência; distribuição de cargos, segundo ele, abarcaria todos os partidos, menos o PT

    Jair Bolsonaro e o deputado federal Julian Lemos (PSL-PB)

    Tem circulado nos últimos dias pelos corredores da Câmara e, inclusive, no Planalto, um áudio de uma ligação telefônica que revela que o “toma lá, da cá”, isto é, a distribuição de cargos no governo em troca de votos favoráveis no Congresso, já estaria acontecendo. A condenação deste tipo de jogo político foi uma das principais plataformas de campanha de Jair Bolsonaro.

    O áudio registra uma ligação telefônica entre o deputado federal Gulliem Lemos (conhecido como Julian Lemos), do PSL da Paraíba, e Fabio Nobrega Lopes, secretário-geral do partido no mesmo estado. De acordo com o jornal O Globo, que teve acesso ao arquivo, na ligação, Lemos relata a Lopes que ele e outros parlamentares já estariam exigindo e negociando cargos no governo em troca de votos favoráveis à reforma da Previdência.

    Ao longo de 12 minutos de conversa, o deputado teria dito, ainda, que conseguiu junto à Casa Civil prerrogativa de indicar nomes para cargos de direção na Fundação Nacional da Saúde (Funasa) da Paraíba e na sede regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

    Em outro momento do diálogo, o deputado do PSL teria relatado uma reunião ocorrida em fevereiro no ministério da Casa Civil em que Carlos Manato, secretário-geral para a Câmara do governo, teria dito que haveria cargos para parlamentares de todos os partidos, menos para o PT.

    Em resposta ao jornal O Globo, Gulliem Lemos disse que pedirá à Polícia Federal que investigue a origem da gravação, que chamou de “grampo ilegal”. O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, não se manifestou.

    Da Revista Fórum 

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo