Logo
  • Associação Brasileira de Imprensa critica decisão que mantém censura de Sarney ao Estadão

    Estadão – A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) condenou na quinta-feira, 10, em nota, a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski que manteve censura ao Estado. Lewandowski negou recurso contra sentença do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), que impede o jornal de publicar informações no âmbito da Operação Boi Barrica envolvendo o empresário Fernando Sarney, filho do ex-presidente José Sarney (MDB-MA).

    “Não se trata de um simples caso de hermenêutica jurídica, mas de uma afronta à própria Constituição por quem deveria, por dever de ofício, impedir que fosse conspurcada por agressões dessa natureza. Não é crível que se mantenha um veículo de comunicação garroteado pela censura, por mais de três mil dias, em um estado democrático de direito”, diz o texto, assinado pelo presidente da ABI, Domingos Meirelles.

    O ministro do Supremo não examinou o mérito do recurso extraordinário por considerar que não seria cabível em medidas cautelares, como as liminares. Ele determinou que o processo seja encaminhado à 12.ª Vara Cível de Brasília, para que julgue o mérito do processo “como bem entender”.

    “A ABI não entende como o recurso extraordinário de O Estado de S. Paulo contra a decisão discricionária do TJDFT, que proibia qualquer menção ao nome de Fernando Sarney, envolvido em investigação da Polícia Federal, tenha permanecido dois anos sob a relatoria do ministro Lewandowski sem que Sua Excelência se manifestasse sobre o mérito da ação”, critica a entidade, que acrescenta: “O ministro Lewandowski não podia lavar as mãos como Pilatos, esquivando-se de se pronunciar sobre um episódio que viola decisões já consagradas pelo próprio Supremo”.

    O Estado completa hoje 3.146 dias sob censura por causa da decisão judicial do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. O jornal foi proibido em 31 de julho de 2009 de publicar o teor de gravações feitas na Operação Boi Barrica que sugerem ligações do então presidente do Senado, José Sarney, com a contratação de parentes e afilhados políticos por meio de atos secretos.

    O pedido elaborado pelos advogados de Fernando Sarney chegou ao Tribunal no fim de uma quinta-feira. Na sexta-feira pela manhã, o desembargador Dácio Vieira já havia decidido pela proibição.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo