Logo
  • A safadeza do ‘em defesa da família’

    Por Jean Menezes (Brasil247)

    JEAN MENEZES DE AGUIAR:
    Advogado, professor da pós-graduação da FGV, jornalista e músico profissional

    Em época de eleição, todo dia se ouve um ou outro político ou candidato ultraconservador empunhando um ‘código’: a família. Falam que querem ‘defender a família’, mas nunca dão inteiramente o papo reto. Nunca revelam a extensão de o que querem dizer, e o tônus do preconceito que querem manter vivo.

    ‘Família’, nessa codificação preconceituosa de quem se propõe a ‘defendê-la’, tornou-se um asco intelectual, um fator de obscurantismo próprio de intolerantes.

    Usam a expressão ‘em defesa da família’ para afastar modelos familiais que não aprovam, efetivamente odeiam, querem proibir e cercear.

    Família é um conceito seriamente estudado na Antropologia e na Sociologia, ainda que haja crendices e mitos possíveis ligados ao tema, mas percebe-se que aí não compõem estudos sobre o tema, apenas dogmas. Para quem gosta, um prato cheio.

    O clássico Ralph Linton, na obra O homem: uma introdução à antropologia, ensina que a família é representada por ‘unidades cooperativas, intimamente entrelaçadas e internamente organizadas’. Mostra que ‘o traço mais constante são as atitudes gerais impostas aos seus membros’, e sua função mais antiga é ‘a de proporcionar aos cônjuges satisfação de suas necessidades sexuais’.

    Não divergindo, Luiz Gonzaga de Mello, Antropologia cultural, mostra que o conceito de família tem por foco as ‘relações de afinidade’, o que enfatiza a absolutividade da vontade [adulta] como elemento constituidor da família.

    Em trabalho de fôlego, Padre Fernando Bastos de Ávila, Introdução à sociologia, mostra as teorias evolucionistas da família, desde a promiscuidade primitiva até a nossa era. Explicando a tese de Durkheim, ensina que ‘não é a família que dá origem à sociedade, mas a sociedade que dá origem à família’, enquanto um conceito moralmente criado.

    Por fim, Jürgen Habermas, Técnica e ciência como ideologia, mostra que o subsistema família repousa ‘fundamentalmente em regras morais de interação’.

    Percebe-se toda uma unidade teórica entre estudiosos seniores com os fatores: vontade, cooperação, organização, satisfação [sexual], afinidade e regra moral.

    Com tais fatores percebe-se que a família, em seu conceito técnico ou comum, que seja, não vem sofrendo qualquer ‘ataque’ social na atualidade, pelo simples fato de o conceito ser dinâmico e adaptativo a padrões sociais segundo regras de interação e momento histórico.

    Com os dois grandes vetores da atualidade, a equiparação da mulher ao homem e as relações homoafetivas no mundo, é mais que óbvio que o conceito de família teria que mudar. Não querer compreender estes fenômenos sociais é uma forma de fundamentalismo, preconceito ou simplesmente arrogância que denota estupidez.

    Os modelos comparados de diversos sistemas sociais existentes no mundo, considerando-se os mais ‘evoluídos’ devem servir, minimamente, como fonte segura para compreensão e aceitação de um principiológico pensamento ocidental.

    Tudo bem que o Brasil seja pródigo em ‘teorias’ malucas, bem como em dogmatismos infernais, e haja um público imenso adorador e adepto deles, mas a ciência continua sendo a instância correta a se buscar conhecimento seguro e insuspeito para questões sociais abertas, valorativas e difíceis de compreensão.

    Conservadores quererem manter o conceito de ‘família’ como ‘uma’ determinada tradição que lhes parece ‘melhor’ – ou eleitoralmente vantajosa, claro-, é uma ignorância velhaca, dissociada do próprio conceito de modernidade. É a falta de conhecimento sobre a dinâmica natural do conceito.

    O ressurgimento da direita assumida no Brasil é legítimo e esta assunção social é o fim do cinismo patético que dizia que ninguém era de direita; os conceitos de direita e esquerda haviam ‘acabado’ e outras sandices semelhantes.

    É uma pena que essa direita inculta conseguiu, assim, estigmatizar o conceito de ‘família’. Atualmente, quando alguém ‘usa’ o termo já se sabe que virão preconceitos, intolerâncias e posições atrasadas. Coisas bem próprias de um baixo-clero intelectual.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo