Logo
  • Estado

    Carlos Brandão entrega obras em Itaipava do Grajaú

    Vice-governador Carlos Brandão entregou mais duas obras do Plano Mais IDH, em Itaipava do Grajaú

    Colaborando com a extensa agenda de inaugurações do Governo do Maranhão, o vice-governador Carlos Brandão tem cumprido uma maratona de viagens pelo estado. Nesta segunda-feira (23), Brandão entregou mais duas importantes obras do Plano Mais IDH, em Itaipava do Grajaú: um Centro de Referência em Assistência Social (Cras) e um Centro de Referência de Segurança Alimentar e Nutricional (Cresan).

    Para o vice-governador, esses equipamentos ampliam o acesso da população mais vulnerável a programas sociais e à alimentação saudável. “Estamos entregando duas ferramentas importantes: o Cras, porta de entrada dos programas sociais, e o Restaurante Popular, que o governo do Estado tem ampliado a sua abrangência. Atualmente, já são mais de trinta, para garantir segurança alimentar àqueles que mais precisam”, afirmou.

    Além do vice-governador, participaram das inaugurações o secretário de Desenvolvimento Social, Márcio Honaiser, o prefeito de Itaipava do Grajaú, Joãozinho do Dimaizão, entre outros.

    Othelino Neto destaca no podcast o caso da menina Ágatha

    O presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto

    No podcast “Diálogo com Othelino”, o presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado Othelino Neto (PCdoB), lamenta o posicionamento do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), após a morte de Ágatha Félix, de 8 anos, baleada pelas costas na comunidade Fazendinha, no Complexo do Alemão, na última sexta (20).

    “A morte da menina Ágatha chocou o Brasil e o mundo. O governador do Rio de Janeiro transformou a morte em um instrumento de marketing dele mesmo. Banalizar a morte, como está acontecendo no Rio, é algo muito grave, que desumaniza as pessoas. E é muito triste ver que, além do governador, há quem defenda esse tipo de política, que faz da morte um instrumento de divulgação. Como se isso fosse um elemento que mostra a eficiência da política de segurança pública”, disse Othelino Neto.

    O deputado lembrou que cinco crianças foram mortas no Rio de Janeiro por conta do que ele chama de “política equivocada de segurança pública” e ressalta que o número de pessoas não envolvidas com o crime, assassinadas em confronto com bandidos e policiais, aumentou.

    “O aparato policial e de segurança pública é feito para proteger a sociedade e não para forjar embates, vitimando pessoas inocentes, crianças e adultos. Imaginemos quantas famílias foram dilaceradas a partir dessa política equivocada que o governador do Rio de Janeiro implantou e que promove cenas tristes, como a do governador comemorando a morte de alguém. Foi algo que chocou a todos nós, que temos a consciência de que a segurança é para preservar a vida e não vitimar inocentes”.

    Mediação e Conciliação 

    Outro ponto abordado pelo presidente da Assembleia foi o evento do Poder Judiciário, em caráter nacional, em parceria com o Poder Legislativo, sediado nesta Casa, sobre a conciliação e mediação como meios alternativos de solução dos conflitos. Segundo o deputado Othelino, o caminho da conciliação e mediação é o que há de mais moderno no sentido de resolver as demandas judiciais.

    “Ao invés de um processo durar cinco ou dez anos, a partir da conciliação se consegue chegar a um resultado, fazendo com que as partes sejam bem atendidas e assim evita aquela demora que tanto incomoda a sociedade. Portanto, o Judiciário tem investido nisso e considero este um caminho fundamental para agilizar as decisões judiciais”, enfatizou o presidente da Assembleia.

    Alema em movimento

    O evento “Alema em Movimento”, que integra a campanha nacional de combate à depressão e ao suicídio, denominada Setembro Amarelo, também mereceu destaque do deputado Othelino. “Essa ação faz parte dessa preocupação com os nossos servidores, que precisam estar bem, saudáveis, para que possam dar o melhor de si”, frisou.

    Senado homenageia Terezinha Rêgo a pedido de Weverton

    A professora maranhense especializada em fitoterapia Terezinha de Jesus Almeida da Silva Rêgo foi homenageada pelos serviços prestados à ciência e à população carente do Maranhão, em sessão especial no Senado. A sessão foi requerida pelo senador Weverton (PDT-MA) para homenagear a professora que há 55 anos se dedica à flora medicinal maranhense.

    “Reconhecer o valor do trabalho da professora Terezinha Rego é praticamente um dever de consciência de todo maranhense. Várias gerações, a minha incluída, cresceram conhecendo e admirando o trabalho desta mulher que dedicou a vida à pesquisa e ao desenvolvimento de técnicas de cultivo de plantas medicinais”, disse o parlamentar.

    A professora tem 86 anos e atua como coordenadora do Herbário Ático Seabra da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), além de ser farmacêutica e fisioterapeuta do Maranhão. Uma das marcas do trabalho de Terezinha Rego é o desenvolvimento de medicamentos à base de plantas, à baixo custo e acessível às comunidades mais carentes. Entre suas descobertas mais marcantes estão o uso do princípio ativo da “cabacinha” no combate à sinusite e do xarope de urucum e da tintura de assa-peixe para doenças respiratórias.

    Terezinha também é responsável pela criação do Projeto Farmácia Viva-Hortos Terapêuticos, coordenado pela Secretaria de Saúde do Maranhão. O projeto consiste no cultivo, conservação e utilização de plantas medicinais. O programa faz parte das práticas integrativas do Sistema Único de Saúde (SUS).

    Atualmente o projeto tem 32 hortos implantados em órgãos estaduais, instituições de ensino, escolas, comunidades quilombolas e terreiros, além de 10.141 capacitações para manejo de hortos realizados no estado.

    “As hortas medicinais comunitárias, que sempre foram um projeto de vida da professora Terezinha Rego, salvam vidas e garantem a cura para pessoas que teriam dificuldade de acesso aos caros medicamentos alopáticos”, afirmou Weverton. O senador também elogiou a sensibilidade do governador Flávio Dino por criar o programa. “Fico honrado em ver que o meu estado já está trilhando o caminho de valorização da pesquisa e da ciência ao incluir o Projeto de Farmácia Viva no Programa de Políticas Públicas do Maranhão, numa iniciativa do governador Flávio Dino”, completou.

    Em seu discurso, Weverton destacou o compromisso de lutar para que as futuras gerações possam continuar levando adiante a pesquisa da professora Terezinha Rego e ressaltou a gratidão pelo trabalho desenvolvido por ela. “Gratidão e compromisso são as duas palavras que quero deixar marcadas nesse dia. Gratidão por todo o trabalho que a professora Terezinha Rego tem feito pelo nosso Maranhão e principalmente pelos mais pobres. E compromisso de levar adiante esse ideal, estimulando as próximas gerações a fazerem ciência e garantindo as condições materiais e sociais para que isso aconteça.”

    Emocionada, a professora pediu para a filha Tânia Rego ler seu discurso agradecendo a homenagem e lembrando a sua trajetória de vida e de luta em favor da fitoterapia.

    O evento contou com a presença do esposo, Artur Rego; da filha, Tânia Rego; da coordenadora do Programa Farmácia Viva do Governo do Maranhão, Kallyne Bezerra; das representantes do Herbário Atico Seabra da UFMA, Diana Rio Branco de Brito e Luceline Dias Almeida; Sandro Monteiro, representando o secretário estadual de Saúde, Carlos Lula; do representante do Conselho Federal de Farmácia, Forland Oliveira Silva; do ex-deputado Luiz Antônio Almeida, afilhado da professora; do deputado federal Gil Cutrim; dos prefeitos de Timon, Luciano Leitoa, e de Balsas, Doutor Erik; além de amigos e admiradores da professora.

    Bolsonaro fala para a extrema direita global

    Por Gilberto Maringoni

    Há que se reconhecer: Jair Bolsonaro foi ousado em seu discurso de abertura na Assembleia Geral da ONU. Numa sessão em que o presidente dos Estados Unidos evoca o termo “Mundo livre”, jargão da Guerra Fria, o mandatário brasileiro mostrou suas garras, sem mediações ou elipses. Mostrou-se de corpo inteiro.

    Bolsonaro não se colocou para o mundo, mas para a extrema-direita mundial em uma fala lida – e mal construída, do ponto de vista do discurso, com inúmeros vai-e-vens – e meditada previamente. Seu objetivo parece ser claro; colocar-se como condutor da onda conservadora mundial.

    LOGO DE SAÍDA, mostrou a que veio: atacou os governos que desejavam levar o Brasil “ao socialismo”, com seu rastro de “corrupção e crimes”, denunciou “a ditadura cubana” e seus médicos “sem qualificação”, arremessou diatribes contra a Venezuela, denunciou o “monopólio do cacique Raoni”, investiu contra reservas indígenas “que têm ouro, diamantes e outras riquezas no subsolo”, elogiou nominalmente o “patriotismo” do juiz Sergio Moro, e – entre variadas menções à política doméstica – assegurou que a Amazônia não está em chamas. Tudo faz parte do “sensacionalismo da mídia”.

    Disparou contra a ideologia que toma conta “das escolas e universidades” e criticou acidamente os que buscam desvirtuar “nossas crianças” através da eliminação da “identidade biológica”. Citou nominalmente “o petismo” que transformou nosso país em “abrigo de terroristas, como Césare Battisti” e elogiou a ação de “nossa Polícias Militares”. Sacou da algibeira a versão de que teria sido esfaqueado por “um militante de esquerda”, em 2018.

    Cita nominalmente Donald Trump como parceiro na luta pela “soberanis nacional”, acusa o caráter “colonialista” do G7 elogia os EUA duas vezes e agradece à “colaboração” de Israel em “recentes desastres” em “meu país”. Mencionou trechos da Bíblia, agradeceu a Deus e atropelou sílabas e pontuações.

    COLLOR DE MELLO esteve na mesma assembleia geral, em 1991 para exaltar que “O ideário liberal venceu, e devemos lutar para que se imponha de forma coerente, ampla e, sobretudo, inovadora”. Era claramente a exaltação de um lado da História, no momento em que caia URSS e o leste europeu. Mas, em nenhum momento, foi tão longe no anticomunismo de almanaque, como faz Bolsonaro.

    José Sarney, FHC, Lula e Dilma fizeram pronunciamentos memoráveis naquela tribuna. Falaram para o mundo, criticaram guerras, crises e desastres econômicos.

    FHC chegou a ser apelidado, jocosamente, de “presidente-pomada”, pois serviria apenas para uso externo. A brincadeira deplorava sua gestão interna, mas exaltava os competentes discursos na ONU.

    Em 2013, a presidenta brasileira fez corajoso discurso, afirmando que “Recentes revelações sobre as atividades de uma rede global de espionagem eletrônica provocaram indignação e repúdio em amplos setores da opinião pública mundial”.

    BOLSONARO NÃO FALA sobre conjuntura mundial, não toca na disputa EUA e China e suas duras consequências para a periferia, deixa de lado problemas sociais globais e sequer se lembra de mencionar a escalada de desemprego, violência e crise que assola o Brasil. Numa locução recheada de menções pessoais, não toca no nome da menina Ágatha Félix, fuzilada pela polícia carioca.

    Em tom quase patético, pede a estrangeiros que “visitem o Brasil, conheçam o Brasil”, para verem que nosso país não é o que se fala por aí.

    A AGRESSIVIDADE dos mais de 20 minutos de discurso mostra que o presidente brasileiro age externamente como faz aqui: fala para os seus, para a extrema direita global. É previsível e não intervém globalmente. Mostra-se provinciano e defensivo, ao lavar roupa suja doméstica – em tom macartista aggiornato – e acusar de falsos os alertas internacionais sobre o meio ambiente.

    Na tribuna não estava o dirigente de uma das dez maiores economias do mundo, de um ator global importante ou mesmo de um líder regional.

    Quem usou do microfone foi um diminuto Mussolini de arrabalde, uma caricatura de meganha truculento.

    Os vinte minutos de holofotes podem gerar manchetes mundo afora. Mas não escondem o ridículo alucinante do comportamento do “novo Brasil” diante do mundo.

    Corrupção no Sindicato dos Enfermeiros; Ana Léa é denunciada ao MPT

    Ana Léa Coelho dos Santos Costa, presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Estado do Maranhão

    A gestão de Ana Léa Coelho dos Santos Costa, presidente do Sindicato dos Enfermeiros do Estado do Maranhão (SEEMA), está sob suspeita de corrupção. O caso foi denunciado ao Ministério Público do Trabalho (MPT).

    As irregularidades foram apontadas por diretores do sindicato. Diante da gravidade dos fatos, é insustentável a permanência da presidente. No dia a dia, diretores não tem acesso mínimo à prestação de contas.

    Sentindo-se ameaçados por Coelho, a direção do sindicato e profissionais de enfermagem pedem a investigação do caso. A presidente do sindicato prega de defensora dos direitos dos trabalhadores, mas precisa fazer o dever de casa: prestar contas dos gastos da instituição.

    Irmão do governador do MA e subprocurador da PGR, Nicolao Dino foi alvo dos hackers presos pela PF

    Nicolao Dino, subprocurador da República

    O irmão do governador Flávio Dino, e subprocurador da República, Nicolao Dino foi alvo dos hackers presos na Operação Spoofing instaurada pela Polícia Federal para apurar a invasão dos celulares do o ex-juiz Sérgio Moto e o procurador Deltan Dallagnol.

    A revelação foi feita pelo o jornal O Globo, que teve acesso à perícia da PF identificando tentativas de invasão dos celulares pelo menos 84 autoridades públicas; dentre elas o presidente Jair Bolsonaro, seus dois filhos e os ex-procuradores-gerais da República Raquel dodge e Rodrigo Janot.

    Segundo a lista divulgada pelo matutino carioca, o celular de Nicolao Dino, identificado como “subprocurador e aliado de Janot”, resistiu a 13 tentativas de invasão.

    Leia a matéria completa Aqui

    Osmar Filho prestigia aniversário da Vila Luizão e recebe apoio de Marquinhos para 2020

    Pedro Lucas, Marquinhos, Osmar Filho e Raimundo Penha no aniversário da Vila Luizão

    O presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Osmar Filho (PDT) e o deputado federal, Pedro Lucas Fernandes (PTB), participaram da festa em comemoração há mais de duas décadas de fundação da Vila Luizão.

    No meio da multidão, e muito carismáticos, as duas lideranças jovens, apreciaram o evento ao lado da comunidade.

    “Estou muito feliz em participar dessa grande festa em comemoração aos 25 anos da Vila. O bairro, é uma das comunidades em ascensão na capital e que muito tem contribuído e avançado em políticas sociais, na cidade. Agradeço o convite do Vereador Marquinhos e parabenizo pelo empenho e dedicação em festejar junto com os moradores, oferecendo serviços sociais e shows para à população. Parabéns à Vila Luizão que o melhor presente seja crescimento, avanço e desenvolvimento sempre”, disse Filho.

    Marquinhos (DEM), representante forte no bairro, organizou durante dois dias uma programação recheada de atrações para todos os gostos musicais.

    Durante o evento, o vereador Marquinhos declarou apoio ao nome de Osmar Filho para a disputa pela prefeitura de São Luís, em 2020.

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo