Logo
  • Notícias

    Sarney Filho é réu por licitação de 78 milhões de reais no Ministério do Meio Ambiente

    Sarney Filho: licitação sob suspeita para contratação de serviço de monitoramento ambiental

    O deputado federal e candidato a senador Sarney Filho (PV) é réu em ação popular que tramita na Justiça Federal do Distrito Federal por conta de uma licitação feita quando era ministro do Meio Ambiente, no valor de 78 milhões de reais, para contratação de serviço de monitoramento ambiental, já realizado por órgão federal sem custo para o governo.

    No início de 2017, quando Sarney Filho era ministro do Meio Ambiente do governo Temer, o Ministério anunciou um pregão para contratar, por R$ 78 milhões de reais por ano, o monitoramento dos desmatamentos da Amazônia. O mesmo trabalho já é feito desde 1988 por um programa do governo federal chamado PRODES, desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), sem custo para o Estado. Também causou estranheza na época o prazo muito curto, de 14 dias, para a apresentação das propostas de um serviço tão complexo.

    Na ação, a necessidade da licitação é contestada já que “serviços de monitoramento por satélite e geoprocessamento semelhantes são prestados há quase duas décadas, com eficiência e precisão, pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), sem custo para o Estado brasileiro”.

    A ação popular alega que o gasto com dessa licitação é inaceitável no momento de crise em que o país se encontra, inclusive com corte nos programas sociais. Segundo a ação popular, a licitação “impõe grava lesão financeira ao patrimônio público, violando o princípio da legalidade e da moralidade administrativa”.

    Imagem do dia: A ganância dos irmãos Sarney

    Uma foto distribuída pela comunicação de Roseana diz muito sobre a ganância dos irmãos Sarney nas eleições do Maranhão neste ano. Nela, a candidata ao governo aparece abraçada com Zequinha, enquanto Lobão entra quase como um intruso.

    A fotografia usada na campanha da oligarquia diz muito sobre o clã e os irmãos gananciosos e prepotentes que querem tudo para eles. Outro candidato do grupo ao Senado, Lobão aparece quase como um papagaio de pirata, numa clara montagem.

    Empenhados apenas em elegê-los, os Sarney esquecem até quem sempre foi fiel à oligarquia. Em uma clara demonstração de que Lobão não é bem vindo nestas eleições.

    O boicote ao candidato à reeleição para o Senado é evidente por parte dos Sarney. Até nas fotos de campanha.

    Othelino Neto reúne-se com lideranças em Coroatá e reafirma compromisso


    Centenas de pessoas reuniram-se em Coroatá, na noite de segunda-feira (24), no Residencial Eco Marajá, para conversar com o candidato à reeleição deputado Othelino Neto (PCdoB). O encontro contou com a participação de lideranças locais e do prefeito da cidade de Vargem Grande, Carlinhos Barros.

    O presidente da Assembleia Legislativa reafirmou o compromisso com os coroataenses. “Aqui, celebramos uma parceria para ajudar Coroatá com melhorias. Esse é o nosso compromisso com a cidade, por isso peço a confiança de todos, para que eu possa continuar deputado e fazer muito mais pela população maranhense e pela querida Coroatá”, enfatizou.

    O evento foi organizado pela ex-vice prefeita Neuza Diniz. “O deputado Othelino Neto vem fazendo um excelente trabalho para ajudar a população de vários municípios, por isso decidimos apoiá-lo por que sei que ele, ao lado do governador Flávio Dino, não vai medir esforços para garantir benefícios à nossa gente”, disse.

    O prefeito de Vargem Grande, Carlinhos Barros, ressaltou que o deputado Othelino Neto deve ser reeleito para continuar colaborando com os municípios maranhenses. “O deputado é um homem forte do Legislativo Maranhense e destinou emendas importantes para vários municípios. Ele está neste barco firme, ombreado pelo governador Flávio Dino e, por isso, merece nosso apoio. Hoje vim ressaltar que tanto Coroatá quanto Vargem Grande estão com ele luta em benefício do Maranhão”, destacou.

    Caso Gercina: O fantasma que assombra Maura Jorge fala pela primeira vez

    Jornal Pequeno – “Se eu fosse uma pessoa estudada não tinha acontecido isso”, lamenta Gercina Vieira (72 anos) sobre seu conturbado envolvimento com a candidata ao governo do Maranhão pelo PSL, Maura Jorge. No final da década de 1990, Gercina trabalhou como empregada da família da candidata e do dia pra noite descobriu que usaram seu nome para manter uma funcionária fantasma no gabinete de Maura Jorge, então deputada estadual. O caso nunca foi esclarecido e até hoje tramita na Justiça. Em entrevista ao Jornal Pequeno, Gercina Vieira falou pela primeira vez à imprensa sobre o assunto.

    Tudo começou em 1998, quando dona Gercina saiu do município de Lago da Pedra para trabalhar em São Luís, como doméstica na casa da ex-deputada estadual. Para melhorar a renda familiar, dona Gercina não titubeou, aceitou a proposta e por lá passou quatro anos.

    Assim como Maura Jorge, dona Gercina é evangélica e confessa que viveu bons momentos trabalhando ao lado da política e de seus familiares, apesar de receber apenas um salário mínimo por mês e não ter direito à carteira assinada.

    Os problemas só surgiram em 2005, quando ela tinha 60 anos e tentou se aposentar. No INSS veio o susto: sua aposentadoria foi indeferida. Ela foi informada que tinha débitos por ter atuado como assessora na Assembleia Legislativa entre os anos de 1999 e 2003, função que nunca ocupou e pela qual nunca recebeu remuneração.

    Para dona Gercina, ela foi vítima de um golpe. Sem consentimento, Maura Jorge teria usado a assinatura da emprega doméstica para manter uma funcionária fantasma em seu gabinete. Foram pagos em nome de Gercina Vieira mais de R$ 170 mil em quatro anos. Dinheiro público que ninguém sabe aonde foi parar.

    Golpe

    A empregada doméstica alega que o golpe aconteceu durante o primeiro mandato de Maura Jorge como deputada. “Nesse mandato foi que ela foi por de trás, formou a quadrilha lá na Assembleia e fizeram isso sem eu saber, porque quando é pra fazer um erro desses tem que ter uma quadrilha”, ressaltou.

    Na época, dona Gercina só sabia assinar o próprio nome. Maura Jorge lhe prometeu ajuda para construir uma casa, e para isso pediu que assinasse alguns documentos. A doméstica recebeu R$ 1 mil após assinar os tais papéis no extinto Banco do Estado do Maranhão (BEM).

    Mas Gercina estranhou a relação entre a “ajuda” que recebeu e valores referentes a pagamentos de Imposto de Renda. “Quem paga imposto de renda tem qualquer coisa e eu não tenho nada. Porque que eu tô envolvida com Imposto de Renda?”, questionou.

    “Por telefone, ela [Maura Jorge] respondeu: mulher te cala que tu não tá sabendo de nada. Eu tô te dando é uma ajuda. E eu inocentemente pegava”, contou.

    Viúva e criando dois filhos, Gercina Vieira diz que “não pode comprar nada” porque ficou com o nome sujo na praça. Ela diz não saber o tamanho da sua dívida, mas a filha da doméstica acredita que “deve ser um valor muito alto, pelos órgãos que o nome dela andou, na União Federal, na Receita e pelos anos que [o caso] não foi resolvido”.

    Sem acordo

    Com a esperança de um dia se aposentar, Gercina diz que já tentou um acordo amigável com Maura Jorge, mas a resposta sempre foi negativa. “Ela nunca quis acordo com ninguém. Ela mandou dizer que só falava comigo quando essa questão terminasse. Que não tinha coragem de olhar no meu semblante”, disse.

    Em 2009, Gercina protocolou uma representação criminal contra Maura Jorge por ter sido admitida, sem a sua anuência, como assessora parlamentar. Com base na denúncia, o Ministério Público do Maranhão ingressou com uma ação civil pública por improbidade administrativa contra a ex-deputada.

    Ao Jornal Pequeno, Gercina relatou que se sentiu frustrada com a situação e espera uma resposta favorável da Justiça. Enquanto isso, ela segue há 13 anos tentando se aposentar. A doméstica diz que não quer “descer à terra fria e deixar esse problema no ar” e achou importante rememorar a polêmica porque “o povo do Maranhão tem que saber quem é a doutora Maura Jorge”.

    “Alguém pode querer votar nela, mas é sabendo o que aconteceu com a pobre viúva lá de Lago da Pedra. Eu ainda tô viva! A história tá enterrada, mas pode ser desenterrada. Eu tô entregando nas mãos da Justiça”, desabafou.

    Para dona Gercina, ela só não foi presa porque conta com a ajuda de Deus e de um advogado. “Com essas contas que eu fiquei, que ela deixou tudo no meu nome, eu já estaria presa”, disse.

    Em fevereiro deste ano, após audiência na Justiça sobre o processo, Maura Jorge disse a um blog de São Luís que a acusação não tem fundamento, e que tem “certeza que à Justiça continuará primando pela verdade”.

    Saúde: Serviço inaugurado por Flávio Dino para cuidar de crianças é destaque nacional


    O portal do jornal O Estado de S. Paulo publicou reportagem sobre o espaço voltado para assistência a crianças com Transtorno do Espectro do Autista (TEA), em São Luís. O serviço foi inaugurado em abril do ano passado por Flávio Dino, no Centro Especializado em Reabilitação e Promoção da Saúde (CER) no Olho d’Água, em São Luís.

    “Desde abril do ano passado, São Luís, capital do Maranhão, virou um ponto fora da curva no cenário de atendimento a crianças autistas pelo SUS”, diz o Estadão.

    A reportagem conta que “o centro tem capacidade para atender até 70 pacientes com TEA, que são submetidos a sete horas e meia de intervenção por semana, pouco mais de uma hora por dia, com uma equipe de profissionais que inclui psicólogos, psiquiatras, psicopedagogos, educadores físicos e terapeutas ocupacionais”.

    Flávia Neves Bacelar, mestre e doutora em teoria do comportamento e coordenadora do centro de reabilitação, conta à reportagem que o modelo permite medir se o tratamento está funcionando ou não. “É uma terapia baseada em evidência, e isso não é muito comum na rede pública”, afirma.

    Leia a reportagem do Estadão na íntegra 

    Sem votos, genro de Ricardo Murad desiste de concorrer à reeleição na Assembleia


    O genro do ex-secretário de saúde, Ricardo Murad (PRP), o deputado estadual Sousa Neto (PRP) anunciou a desistência para renovar o mandato na Assembleia Legislativa. Sem os cofres públicos irrigando a sua campanha, como em 2014, ele preferiu deixar o pleito ciente de que sairia das urnas com uma derrota vexatória.
    Sousa Neto foi eleito junto com a cunhada Andrea Murad (PRP) pela força da Secretaria de Saúde (SES), que na época era comandada por Ricado Murad. Ele, inclusive, é alvo de investigação pelo uso de aeronaves pagas pela SES para fazer a sua campanha.

    Em vídeo divulgado nas redes sociais hoje, Sousa Neto reclamou da falta de apoio para a sua candidatura. Preocupado em reeleger pelo menos a filha Andrea para a Assembleia, Ricardo Murad deixou o genro jogado as traças e, por isso, ele desistiu de tentar a reeleição.

    E a oligarquia Murad vai, aos poucos, se afundando no Maranhão.

    Onda vermelha pode ser o fenômeno de 2018

    247 – Se as eleições presidenciais fossem hoje, o PT elegeria o presidente da República, Fernando Haddad, tendo Manuela D’Ávila (PCdoB) como vice, como mostra a pesquisa Ibope.

    Além da Presidência, o PT também reelegeria pelo menos três governadores em primeiro turno: Camilo Santana, no Ceará, Wellington Dias, no Piauí, e Rui Costa, na Bahia. Além disso, Fátima Bezerra é favorita para ganhar no Rio Grande do Norte e Fernando Pimentel disputará o segundo turno em Minas Gerais. Já entre os aliados, Flávio Dino, do PCdoB, também deve se eleger em primeiro turno.

    Dois anos após o golpe parlamentar de 2016 e de um governo ilegítimo que foi marcado pela retirada de direitos dos trabalhadores, pela entrega do petróleo, pela explosão do desemprego e a perseguição ao maior líder popular da história do Brasil, Luis Inácio Lula da Silva, os brasileiros e brasileiras reafirmam sua opção por governos do campo progressista e pela democracia.

    Crescimento

    A curva de crescimento do candidato do PT à Presidência segue acentuada, segundo pesquisa Ibope divulgada nesta segunda-feira (24). Fernando Haddad subiu mais quatro pontos em relação à semana anterior e chegou a 22%. Treze dias depois do registro oficial de sua candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em 11 de setembro, o substituto de Luiz Inácio Lula da Silva subiu 14 pontos. O candidato Jair Bolsonaro (PSL), estacionou nos mesmos 28% das intenções de voto da semana passada.

    A nova pesquisa Ibope confirma também a estabilização de Ciro Gomes (PDT) em terceiro lugar, com 11%, mesma pontuação dos últimos dois levantamentos.

    O Ibope traz Geraldo Alckmin (PSDB) em quarto e Marina Silva (Rede) em quinto. Há 13 dias, o tucano tinha 9%, caiu para 7% e agora está com 8%. A candidata da Rede, que havia caído de 9% para 6%, agora está com 5%.

    João Amoêdo (Novo) tem 3%, Álvaro Dias (Pode) e Henrique Meirelles (MDB) 2% e Guilherme Boulos (Psol)m 1%. Cabo Daciolo (Patriotas), Vera Lúcia (PSTU), Eymael (DC) e João Goulart Filho (PPL) não pontuaram.

    Segundo turno

    O Ibope fez simulações para as seguintes hipóteses de segundo turno:

    Haddad 43% x 37% Bolsonaro

    Ciro 46% x 35% Bolsonaro

    Alckmin 41% x 36% Bolsonaro

    Marina 39% x 39% Bolsonaro

    Bolsonaro é o candidato com maior taxa de rejeição, por 46% dos pesquisados. Depois vêm Haddad, 30%, Marina, 25%, Alckmin, 20% e Ciro, 18%. O instituto entrevistou 2.506 pessoas em todo o país. A margem de erro é de dois pontos percentuais, e o nível de confiança de 95%.

    A pesquisa foi contratada pelo jornal O Estado de S. Paulo e pela TV Globo. O instituto deve apresentar novo levantamento na quarta-feira (26), por encomenda da Confederação Nacional da Indústria (CNI). O Datafolha divulgará resultado de nova sondagem na sexta-feira (28).

    Ex-prefeita que recebeu Roseana é alvo de operação da Polícia Federal em Açailândia

    Foto da reunião ocorrida na casa de Gleide, a mesma que foi invadida pela Polícia Federal

    A Polícia Federal deflagrou a Operação Patranha na manhã desta terça-feira (25). A ação investiga práticas de crimes licitatórios na cidade de Açailândia e tem como um dos alvos a ex-prefeita Gleide Santos (MDB). A casa dela, que foi palco de reunião de pré-campanha de Roseana Sarney, teve que ser invadida pela PF para o cumprimento da ordem judicial.

    No dia 13 de agosto, Gleide Santos recebeu Roseana e sua comitiva em ato de pré-campanha da candidata ao governo do Maranhão. Participaram da reunião os candidatos ao Senado Edison Lobão, Sarney Filho e o vice Ribinha Cunha. Na ocasião, eles comeram uma pizza depois de cancelar o evento político por falta de público.

    A Operação Patranha deu cumprimento a 05 (cinco) mandados de busca e apreensão e 01 (um) mandado de constatação, requisitados pelo Ministério Público Federal. Trata-se de ação penal que apura práticas de crimes licitatórios na Prefeitura de Açailândia, durante a gestão de 2013/2015.

    Foram cumpridos mandados de busca e apreensão, sendo 02 em Açailândia, 01 em Imperatriz, 01 em Lago do Junco e 01 em São Luís.

    Gleide Santos foi eleita prefeita de Açailândia em 2012 pelo MDB e teve o mandato cassado pela Câmara de Vereadores do Município em julho de 2015 por 14 votos a zero, após denúncias contra ela de uso indevido de recursos públicos, contratações irregulares e fraudes em licitações.

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo