Logo
  • Notícias

    Deu no D.O.

    Na semana do Sábado de Aleluia, a coluna Deu no D.O., publicada pelo blog, com os contratos dos nossos santificados gestores públicos, traz o custo de alguns banquetes a Momo. Na Via-Crúcis as prefeituras de Coroatá, Pinheiro, Alto Alegre do Pindaré, Monção, Cururupu, Santa Helena, Grajaú, Maracaçumé e Governador Eugênio de Barros. Mas, na sexta, foi Jesus quem morreu crucificado…

    A vida é uma festa I – O reinado de Momo em Coroatá fez balançar as contas públicas e alimentou o bucho de bandas descartáveis em seus estados de origem. A folia saiu por animados R$ 644.500,00 referentes ao contrato com a Edmar Nascimento Rios – EPP para organizar a folia.

    A vida é uma festa II – Já em Pinheiro a alegria dos produtores foi maior, seja pela repetição da velha fórmula de contratar bandas de qualidade duvidosa a preços teoricamente exorbitantes, seja pelo contrato de R$ 1.490.000,00 faturado pela Garcia Produções e Eventos Eireli-ME a título de comandar a festa.

    A vida é uma festa III – Em Alto Alegre do Pindaré o investimento no carnaval foi mais modesto e o contribuinte desembolsou R$ 380.229,00 pela contratação da I A Ribeiro – Organizações e Publicidade – ME, responsável pela realização do festejo.

    A Vida é uma festa IV – Teoricamente contratada para produzir eventos festivos no município de Monção, a Leomar da Silva Pereira e Cia Ltda – ME deve brincar o carnaval o ano todo com o R$ 1.350.976,00 que faturou. Não faltarão motivos para a alegria.

    A vida é uma festa V – Onde também deve ter festa o ano todo é em Cururupu. É carnaval, é lava prato, lava xícara, lava pires, e se brincar lava jato, depois que a prefeitura contratou a Kavasaki Promoções e Eventos Eireli – ME para realizar as festividades do município por R$ 1.104.200,00.

    A vida é uma festa VI – Não se trata do milagre da multiplicação dos pães, mas a prefeitura de Santa Helena engordou o Rei Momo e a J.J. do Carmo Produções – ME com R$ 600.000,00 em folia de um carnaval sem a cara do Maranhão.

    Só muito gesso – Enquanto isso, Grajaú só perde para Hollywood depois que contratou a Premier Vídeo Comunicação LTDA – ME para “prestar serviços técnicos de comunicação audiovisual” pelo cachê de R$ 306.900,00. Resta saber se serão produzidos vídeos ou placas informativas para orientar e evitar que a população se perca entre os corredores dos prédios públicos.   

    Vassoura mecanizada I – Mas quem encontrou o pote no final do arco-íris em Maracaçumé foi a L. A. Meireles Gomes Empreendimentos e Construções, que arrematou dois contratos somados em R$ 3.300.634,00. O primeiro foi de R$ 1.806.724,00 pela locação de veículos de pequeno e médio porte e máquinas pesadas.

    Vassoura mecanizada II – O segundo contrato faturado pela Meireles Gomes também não é de se jogar fora. Pelos serviços de coleta e transporte de lixo, varrição, capina e pintura de meio fio e sarjeta ela vai recolher R$ 1.493.910,00.

    Na rede I – O município de Governador Eugênio Barros resolveu entrar de vez na era digital e se comunicar com o mundo. Somente para quatro secretarias, a prefeitura adquiriu R$ 1.738.913,50 em material de informática, acompanhado da garantia de manutenção, através de pregão presencial vencido de cabo a rabo pela D C Pavão Comércio e Serviços de Informática – ME.

    Na rede II – O milhar foi dividido em quatro lotes. R$ 463.512,00 foram para Saúde; R$ 485.513,00 para Educação; R$ 325.826,00 para Administração; e R$ 464.062,00 para a secretaria de Desenvolvimento Social. Agora só resta computar a entrega do material e ver se bate com a grana investida.

    Deu no D.O.

    Bloco de sujo – A folia promete ser grande em São João dos Patos, depois que a prefeitura assinou dois contratos somados em R$ 405.300,00 para locação de estruturas e fornecimentos de bandas para o carnaval. A G2 Entretenimento LTDA-ME levou R$ 381.900,00 e a R.N. de Sá Neto R$ 23.400,00.

    Na veia – O mercado imobiliário de Imperatriz está em alta depois que a prefeitura alugou por R$ 503.422,26 um imóvel do Hospital Santa Tereza LTDA para abrigar o Hospital Municipal de Imperatriz durante seis meses a contar do dia 2 de janeiro. O aluguel saiu a R$ 83.903,71 por mês.

    Papel carbono – Em Santa Helena o futuro a Deus pertence, mas a eventual locação de máquinas copiadoras, scanners e data show é garantida por R$ 422.400,00, referentes aos quatro contratos assinados com F.A.A. Amorim, para atender as necessidades das secretarias de Saúde (R$ 108.000,00); Educação (R$ 242.400,00); Administração e Finanças (R$ 36.000,00) e Assistência Social (R$ 36.000,00).

    Pole position – Já em Duque Bacelar as máquinas locadas possuem quatro rodas e saíram da F.G.M. de Carvalho-ME por R$ 1.485.265,80, referentes aos cinco contratos de locação de veículos para rodar nas secretarias de Administração (R$ 204.000,00); Educação (R$ 314.400,00); Saúde (R$ 314.000,00) e Assistência Social (R$ 84.000,00). O quinto contrato de R$ 568.465,80 foi pela locação de ônibus para fazer o transporte escolar.

    Combustão I – Enquanto isso em Chapadinha a prefeitura resolveu encher o tanque e adquiriu R$ 1.981.000,00 em combustível, distribuídos em quatro contratos assinados com a Propesro Veras & Cia. LTDA para abastecer as secretarias de Finanças, Planejamento e Orçamento ((R$ 594.300,00); Educação (R$ 693.350,00); Assistência Social (R$ 198.100,00); e Saúde (R$ 495.250,00).

    Combustão II – Insuperável mesmo é o município de São Raimundo das Mangabeiras, que no dia 5 de janeiro adquiriu R$ 5.488.050,00 em combustível através de três contratos assinados com duas empresas, a V.L. Silva Oliveira & Cia LTDA – EPP e a Posto Centro Derivados de Petróleo LTDA.

    Combustão III – A V.L. faturou dois contratos somados em R$ 4.978.450,00. Um para abastecer as secretarias de Administração, Saúde, e Assistência Social (R$ 2.738.400,00); e outro para a Educação (R$ 2.240.050,00). A Posto Centro ficou com a sobra de R$ 509.600,00 para completar os tanques da frota da Educação.

    Concreto armado – Mas quem meteu a mão na massa logo no primeiro dia útil do ano em Fernando Falcão foi a JRL Serviços LTDA-ME que faturou três contratos de obras cimentadas em R$ 1.493.947,15, para construir um campo de futebol (R$ 391.500,28); reformar a escola José da Conceição Bacaba (R$ 81.015,34); e pavimentar em bloquete com meio-fio, sarjeta, calçada com acessibilidade e sinalização (R$ 1.021.431,53).

    Guardanapo – Quem também acertou no milhar foi a empresa Hiper Moria Eireli-ME, que arrematou dia 11 de janeiro dois contratos em Olinda Nova do Maranhão no valor total de R$ 1.460.338,17. Para fornecer materiais de higiene e limpeza (R$ 717.468,17) e merenda escolar (R$ 742.870,00).

    Deu no D.O.

    Conto de fada – A Câmara Municipal de São José de Ribamar vai entrar para história com “H” minúsculo ao adquirir da Distribuidora Costa LTDA-ME compêndio com histórico político do legislativo ribamarense por R$ 494.000,00.

    Bula – Enquanto isso a prefeitura do santo padroeiro fez “convocação pública” e contratou por R$ 20.303.004,00 a Organização Social, Instituto Unir Saúde, para gerenciar, fomentar e executar atividades, ações e serviços de saúde no Hospital e Maternidade de São José de Ribamar até o final de 2018.       

    Provedor – Já em Tuntum quem armou a rede foi a J. Alves Coelho-ME que faturou quatro contratos, no valor total de R$ 648.747,57, para fornecer equipamentos e suprimentos de informática até o mês de novembro vindouro.

    Passou o pano – Assinado com a Agroal Construções e Consultoria Técnica – D.J.C. Almeidamemcia LTDA dia 10 de fevereiro e publicado no Diário Oficial somente dia 29 de dezembro, a dois dias do término do contrato, o serviço de limpeza pública do município de Magalhães de Almeida em 2017 saiu por R$ 1.664.518,60. 

    Dormitório – Para garantir que os convidados oficiais não fiquem ao relento, a prefeitura de Alcântara contratou os serviços de hospedagem, de agosto a agosto, da J.C. Viana Porto-ME por R$ 189.120,00.

    Cascalho – Como Deus ajuda a quem cedo madruga, a prefeitura de Santa Helena contratou no segundo dia de 2018 a Construções e Comércio Lupa LTDA-ME para adequar e melhorar as estradas vicinais na zona rural, até o mês de junho, pela carrada de R$ 1.789.100,73.

    Piche – No mesmo caminho de acesso, a prefeitura de Itapecuru Mirim assinou dois dias depois contrato de R$ 834.449,51 com a TPCO Engenharia LTDA-ME para fazer o recapeamento asfáltico em ruas do Bairro Rodoviária.

    Mãos à obra – Por outro lado, em Zé Doca o barro foi de R$ 2.768.252,14, referentes aos quatro contratos (três por concorrência e um por pregão), para a Arbo Empreendimentos LTDA executar as reformas e ampliações do prédio do Conselho Tutelar (R$ 82.657,30); do Camelódromo (R$ 755.838,74); da Unidade Regional de Educação (R$ 524.386,43) e a ampliação do hospital municipal (R$ 1.405.369,67).

    Deu no D.O.

    Pendura I – Pelo valor do contrato de R$ 418.000,00 com a Contabiliza Assessoria e Consultoria Contábil Ltda, as contas da prefeitura de Zé Doca não estão no papel. Os serviços de assessoria para suprir as demandas junto às atividades do setor de contabilidade do município durante o ano de 2017.

    Pendura II – Uma conta que deve ser registrada, e se depender do Diário Oficial será apenas de maneira genérica já que o extrato publicado não especifica quais escolas, é a de R$ 1.485.037,88 do contrato com a Terraplam Construção Comércio Distrib. Rep. E Serviço Ltda- ME para reformar unidades da rede municipal de ensino.

    Frondosa I – Em Bom Jesus das Selvas uma só empresa, a K.L. Serviços e Locação Eireli-ME, vai fornecer peças (R$ 1.063.343,00), pneus (R$ 246.774,00) e fazer a manutenção preventiva e corretiva (R$ 547.894,00) das máquinas e veículos da prefeitura por R$ 1.858.011,00, distribuídos em três contratos.

    Frondosa II – Já em Sítio Novo, a safra foi da M.P.S. Oliveira & Cia – EPP, que colheu com a locação de veículos para o transporte escolar, até 29 de dezembro deste ano, R$ 2.894.840,00.

    Frondosa III – Mas é em Palmeirândia que o folhudo frutifica. A Tavares Engenharia Civil Ltda-ME arrematou seis contratos somados em R$ 3.407.715,60, dos quais um de apenas R$ 116.879,92 é para fazer a limpeza pública; e os outros cinco (R$ 3.290.835,68) foram para locações de veículos para as secretarias de Administração (R$ 845.199,72 e R$ 486.718,28), Saúde (R$ 502.799,04), Educação (R$ 1.332.119,04) e Assistência Social (R$ 123.999,60).

    Armarinho – Enquanto isso, em Presidente Juscelino a empresa R Macedo Oliveira-ME faturou R$ 1.304.963,30 divididos em dois contratos. Um de R$ 714.513,77 para fornecer materiais de expediente, didático e pedagógico; e outro de R$ 590.449,53 para os de limpeza, higiene pessoal e utilidade doméstica.

    Fio pelado – O que não vai faltar em Pinheiro é material elétrico e de construção depois que a prefeitura contratou a S. de J. Cabral – Construções-ME por R$ 3.451.515,27, para atender a demanda das secretarias municipais durante dez meses.

    Rarefeito – Sabe-se lá o que, mas a prefeitura de Nova Olinda do Maranhão contratou por R$ 2.710.689,93 a Diversa – Cooperativa de Trabalho e Serviços Múltiplos para prestar variados apoios à administração do município.

    Papel toalha I – Depois de assinar quatro contratos de prestação de serviços gráficos somados em R$ 999.324,00 com a A. Alcântara Silva-ME, a prefeitura de Santa Helena voltou a celebrar outros quatro com a mesma empresa, desta vez para o fornecimento de materiais de limpeza, higiene e utilidades domésticas.

    Papel toalha II – Os quatro novos contratos com a Alcântara somam R$ 1.454.512,00, divididos entre as secretarias de Assistência Social (R$ 99.611,30); Administração (R$ 312.203,50); Saúde (R$ 444.858,60) e Educação (R$ 597.838,70).

        

    Deu no D.O.

    O ronco dos motores – Em Santa Helena o serviço público será plenamente motorizado depois do contrato de R$ 2.166.920,50 firmado com Luiz Raimundo Teixeira Lobato pela locação de veículos e máquinas até o final de 2017.

    Com gosto de gás I – O combustível em Sambaíba para movimentar as secretarias de Educação, Saúde, Administração e Assistência Social será garantido por duas empresas que dividiram o bolão de R$ 1.412.180,00.

    Com gosto de gás II – A Moacir Ribeiro Costa-EPP ficou com R$ 685.800,00 para abastecer as secretarias de Administração (R$ 636.900,00) e a de Assistência Social (R$ 48.900,00), enquanto que a V.L.Silva Oliveira & Cia Ltda., levou R$ 726.380,00 para encher os tanques da Educação (R$ 380.680,00) e da Saúde (R$ 345.700,00).

    Com gosto de gás III – E por falar em combustível, a prefeitura de Grajaú meteu o pé no acelerador e contratou R$ 2.819.915,65 em gasolina comum e óleo diesel comum e S-10 do Auto Posto Vereda Ltda. para abastecer a frota oficial do município.    

    Barriga cheia – A prefeitura de Aldeias Altas aderiu a uma ata de registro de preços para contratar por R$ 5.526.272,00 a Futura Distribuidora de Alimentos Ltda. para fornecer gêneros alimentícios perecíveis e não perecíveis.

    Campus minado – A Universidade Federal do Maranhão resolveu ampliar e reformar o campus da cidade de São Bento e para isso contratou por R$ 11.412.461,93 a Agrasty Construções Ltda. A vigência do contrato vai até 5 de dezembro de 2018.

    No balde I – No dia 21 de fevereiro passado foi o dia dos secretários municipais de Saúde, Assistência Social, Finanças, e Educação de Formosa da Serra Negra assinarem contratos para a aquisição de materiais de expediente, higiene e limpeza, e gêneros alimentícios.

    No balde II – Foram oito contratos com quatro empresas diferentes que somados chegam a R$ 1.764.295,93. A distribuidora J D C Ltda. ficou com dois e faturou R$ 785.909,67; Luciene C. dos Santos-ME com um de R$ 161.107,92; R. Leda de Arruda Mercearia-ME com dois e rendimentos de R$ 308.233,64; e a S. de Arruda Lima-ME fecha a conta com três contratos contabilizados em R$ 509.044,70.

    No rodo I – Na mesma levada, a prefeitura de Alto Alegre do Pindaré meteu o garrancho em dois contratos com a Dmais Construções e Empreendimentos Ltda, somados em R$ 2.896.501,32. O primeiro de R$ 1.474.395,88 para recuperar e manter estradas vicinais, e o segundo de R$ 1.422.105,44 para reforma e ampliação de unidades escolares.

    No rodo II – Em ambos, os extratos publicados no Diário Oficial não especificam nem as estradas, tampouco as escolas que serão ampliadas e reformadas. Embora do alto se possa imaginar quem ficará alegre.-

    Bolso – Para fazer assessoramento técnico e ratificação, atualização monetária, cobrança e recuperação de créditos tributários, a Empresa Brasileira de Gestão de Ativos foi contratada por R$ 3.600.500,00 pela prefeitura de Fortaleza dos Nogueiras. A vigência do contrato é de 36 meses.

    Deu no D.O.

    Só Deus salva I – A prefeitura de São Raimundo das Mangabeiras resolveu ser acionista da Petrobras e assinou dois contratos para aquisição de combustível somados em R$ 3.162.600,00. O primeiro, divididos em dois lotes (R$ 277.800,00 e R$ 760.800,00) no valor de R$. 1.038.600,00 com a Moacir Ribeiro Costa, para atender a secretaria de Educação; e o segundo de R$ 2.124.800,00 com a V L Silva Oliveira & Cia Ltda, foi para abastecer as secretarias de Saúde e de Assistência Social, e o próprio tanque.  

    Só Deus salva II – Como não tem nome de santo, a prefeitura de Barra do Corda gastou um pouco menos em combustível e meteu bronca em R$ 2.224.150,00, divididos em três contratos. Um de R$ 1.134.330,00 com a L.W. de Alencar Mendes Ltda, e dois (R$ 943.850,00 e R$ 145.970,00) no total de R$ 1.089.820,00 com a Viana & Vieira Ltda – ME. 

    Só Deus salva III – Embora o município seja de Porto Franco, coube a prefeitura garantir o caminho para o paraíso por via terrestre sem o risco de pregar por falta de combustível. Foram oito contratos no total de R$ 3.128.150,00 divididos igualmente entre duas empresas para abastecer as secretarias de administração, assistência social, saúde e educação.

    Só Deus Salva IV – A Oliveira Combustível Ltda-ME faturou R$ 1.300.000,00 em quatro contratos, e a Itamar Macedo –ME arrematou R$ 1.828.150,00 pela outra metade. Ambas vão fornecer combustível para as mesmas secretarias, embora em quantidades – assim se espera – e preços diferentes. Enquanto, por exemplo, a Oliveira bota pra rodar os veículos da Administração por R$ 720.000,00, a Itamar vai carburar R$ 1.182.600,00.

    Doméstico – O prefeito Lourinaldo Batista da Silva resolveu arrochar o Buriti e terceirizou o apoio administrativo e os serviços gerais nas dependências da prefeitura contratando a Gerenciar Limpeza de Apoio Administrativo Ltda por R$ 3.155.743,20.

    Papel-moeda – A papelada em Pedro do Rosário revela na melhor das hipóteses o apego à tradição da administração municipal. A prefeitura assinou seis contratos com a Gráfica Pinheirense para imprimir material gráfico para as secretarias de Educação (R$ 470.810,00), Saude (R$ 355.538,00), Administração (R$ 92.662,00), e Assistência Social (R$ 66.627,00), além dos programas Saúde na Escola (R$ 109.601,00) e Brasil Alfabetizado (R$ 20.467,00), ao custo final de R$ 1.115.705,00.

    Pá de cal – De maneira genérica, a prefeitura de Santa Helena assinou dois contratos no total de R$ 1.403.732,15 para prestar serviços – os extratos publicados no Diário Oficial não especificam quais –  de reforma de prédios públicos (R$ 550.503,25) e recuperação de meios-fios, sarjetas e estradas vicinais (R$ 853.228,90).

    Alma do negócio – A mesma empresa Ricardo F. dos Santos que foi contratada por R$ 218.200,00 para promover e animar o carnaval 2017 de Brejo, ainda arrastou outros quatro contratos no valor idêntico de R$ 55.000,00, cada, para divulgar as ações das secretarias de Transparência, Educação, Saúde e Assistência Social. Com R$ 438.200,00 no bolso, a alegria foi total.

    Adubo – As verdinhas estão conservadas em Itinga com a contratação por R$ 1.881.461,40 da empresa de engenharia Eco Planet Empreendimentos Eireli-ME para a execução de serviços integrantes do Sistema de Limpeza Pública e da Implantação e manutenção de áreas verdes no perímetro urbano do município.

    Deu no D.O.

    Bucho cheio – A prefeitura de Balsas resolveu instaurar o Fome Zero e contratou com dispensa de licitação a J. Amarildo B de Souza Restaurantes e Serviços – ME para fornecer quentinhas durante 90 dias à Secretaria Municipal de Saúde ao custo de R$ 138,390,50.

    Coleta seletiva – A prefeitura de São Bento também dispensou licitação para contratar a MS Construções Ltda – ME para fazer a limpeza urbana com objetivo de realizar mutirão em bairros do município, com serviços de coleta de lixo domestico, entulhos de construções, móveis, galhos de arvores e varrição de ruas e avenidas, durante 30 dias, por R$ 255.491,49.

    A dedo I – Ainda na mesma balada sem licitação, a prefeitura de Porto Franco contratou a Itamar Martins Macedo – ME para fornecer combustível na bomba durante 30 dias por R$ 363.200,00.

    A dedo II – Com tanto gás, a prefeitura de Porto Franco também aproveitou para deixar para trás a licitação e contratou a Ribeiro Erre Comércio e Representações Ltda para fornecer, durante 30 dias, medicamentos hospitalares por R$ 465.009,01.

    Pepita nos rins – Enquanto isso, a prefeitura de Codó contratou, por inexigibilidade de licitação e por um prazo de um ano, a Nefroclínica de Codó Ltda, para fazer hemodiálise através de profissionais capacitados ao custo de R$ 1.744.986,56.

    Só Deus sabe – Para recuperação e “obras de arte” de pontes e bueiros, e sem dizer quais, a prefeitura de Santa Helena contratou a Construções e Comércio Lupa Ltda, por R$ 148.196,80.

    Cascalho – Já a prefeitura de Tuntum resolveu recuperar a estrada vicinal no trecho da Bifurcação ao povoado Aldeia, passando pelos povoados Serra Grande, Pacas até a comunidade de Violão, e contratou, por R$ 807.759,17, a J.F. da Costa Filho & Cia Ltda-ME.

    Ouro negro – E para não comer poeira, a prefeitura de Bela Vista do Maranhão contratou R$ 916.900,00 em combustível da Roseno Comércio de Derivados de Petróleo LTDA.

    Lava Jato I – A prefeitura de Bacurituba assinou três contratos somados em R$ 73.696,00 com a empresa Lindalva de Jesus Ribeiro França para fazer a lavagem dos automóveis leves e pesados de responsabilidade do Município.

    Lava Jato II – Com a limpeza garantida, a prefeitura de Bacurituba aproveitou para locar veículos e máquinas de pequeno, médio e grande porte da J. Campos Empreendimentos Ltda por R$ 631.900,00.

    Tabuada – Quem também quer se manter limpa é a prefeitura de Estreito, que contratou por R$ 440.100,00 consultoria e assessoria contábil da Santos Araújo Contabilidade Ltda – ME.

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo