Logo
  • Notícias

    Itaqui:a mentira da privatização, a EMAP e R$ 1 bi em desenvolvimento para MA com arrendamentos de terminais

    Porto do Itaqui: R$ 1 bilhão em investimento privado

    É completamente equivocada, se não maliciosa, as manchetes de setores da mídia impressa e digital sobre a privatização de quatro terminais do Porto do Itaqui.

    Contrariam, inclusive, a própria matéria que divulgam sobre o anúncio do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) da inclusão de 59 projetos nos planos de concessão e privatização do governo federal, dentre eles os aeroportos de São Luís e Imperatriz e os ditos terminais.

    Além de misturarem concessão com privatização, passam por cima da própria especificação do texto sobre o porto maranhense: “foi autorizado o arrendamento de quatro terminais portuários dedicados à movimentação de granéis líquidos, especialmente combustíveis, localizados no porto do Itaqui”.

    Ou seja: os terminais não serão privatizados, mas arrendados!

    Ted Lago, presidente da EMAP: “Isso demonstra a confiança na gestão da Empresa Maranhense de Administração Portuária, e isso tanto do investidor privado – a exemplo dos demais investimentos recentes (Suzano, segunda fase do Tegram, Ultracargo e COPI) – quanto do Governo Federal, por priorizar os estudos do Itaqui neste primeiro semestre”

    Uma manipulação grosseira – até parece coisa encomendada pelo submundo da política maranhense – para atingir o governador Flávio Dino, cuja a má gestão teria motivado o governo Bolsonaro a privatizar parte do Itaqui.

    Mas deram com os burros n’água!

    Em primeiro lugar, os portos públicos do Brasil são portos organizados (bem público), sob o modelo landlord port (com vários arrendamentos portuários/terminais), adotado na maioria dos países, como EUA, Espanha, China, etc.

    Nesse modelo a gestão é pública e a operação portuária é privada!

    Em segundo, as concessões foram solicitados pela EMAP, com base nos Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) apresentado ao Governo Federal, conforme a Lei 12.815/2013 que regulamenta a “cessão onerosa de área e infraestrutura públicas localizadas dentro do porto organizado, para exploração por prazo determinado˜.

    E para deixar a turma com o casco furado e o beiço caído, estão previstos investimentos privados de R$ 478,1 milhões com os novos arrendamentos de terminais de granéis líquidos, que somados aos R$ 732 milhões referentes a outros quatro projetos em andamento no Itaqui ( Tequimar-Ultracargo, Suzano, COPI e Tegram), dão mais de R$ 1 bilhão em desenvolvimento para o Maranhão, gerando emprego e renda!

    Veja Aqui os arrendatários dos terminais do Itaqui

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo