Logo
  • AULA DE CIDADANIA

    Professores mantém greve e promovem nesta segunda uma passeata em protesto ao descaso de Braide com a Educação

    Professores entram no sexto dia de greve

    Em greve desde a segunda-feira, 18, os professores da rede pública municipal de ensino promovem nesta segunda-feira protesto pelas ruas de São Luís. A categoria vai se reunir em frente à Igreja do São Francisco e de lá seguirá até a Câmara Municipal de Vereadores, com uma parada em frente à Secretaria Municipal de Educação, na Praia Grande.

    Os servidores do ensino recusaram, nessa quarta-feira (20), a nova proposta da Prefeitura de São Luís de reajuste salarial de 10,06%, considerando valor muito abaixo do que a categoria reivindica.

    Mostrando mais força após o ato histórico de segunda-feira, onde mais de 2 mil professores e professoras saíram às ruas clamando por respeito e por valorização. Nesta Assembleia Geral, a primeira realizada na história do sindicato em praça pública, a categoria mostrou toda sua disposição para defender suas carreiras e a lutar a favor dos estudantes da rede pública para que tenham uma educação de qualidade, com escolas em boas condições estruturais, com merenda escolar e transporte satisfatórios.

     Os mestres rechaçaram, por unanimidade, a nova proposta de 10,06% e seguirá em busca da atualização do Piso Nacional do Magistério, de 33,24% para docentes do nível médio, e da repercussão em toda tabela salarial – com 36,56% de reajuste para todos com nível superior.

    “20 de abril foi um dia intenso para os professores e professoras de São Luís que iniciaram a greve nesta semana. Pela manhã tivemos uma audiência de conciliação no Tribunal de Justiça, onde a Prefeitura apresentou esse percentual. A proposta foi recusada, sobretudo, porque não cobre nem a metade das perdas que acumulamos nos últimos cinco anos. Estamos com salários congelados durante todo esse tempo, perdemos muito o valor de compra e não conseguimos mais manter nossa qualidade de vida”, afirmou Sheila Bordalo, presidente do Sindeducação.

    Com a greve mantida, os professores esperam o resultado da análise contábil das contas apresentadas pela Prefeitura de São Luís para definir, em nova Assembleia Geral, uma possível contraproposta que será apresentada. Enquanto isso, a reivindicação inicial se mantém.

    “Nós recusamos a proposta de 10,06% e mantivemos a reivindicação dos 36,56%. Nós exigimos que a prefeitura abra novamente a mesa de negociação e coloque uma proposta melhor, que valorize e respeite os professores”, pontuou o Comando de Greve.

    Surpresa e desrespeito

    Durante a Assembleia, o secretário de Assuntos Jurídicos do sindicato, Cássio Souza, deu mais detalhes da audiência, inclusive citou que o prefeito determinou corte do ponto, assunto que causou ainda mais indignação em toda a categoria. Além disso, informou como o sindicato ficou surpreso com a decisão da Justiça em classificar como ilegal o movimento grevista, seis dias antes mesmo da greve ser deflagrada.

    Os professores e as professoras, também foram informados sobre o pedido de suspensão que a Assessoria Jurídica do Sindeducação fez para reverter a decisão da desembargadora Maria Francisca de Galiza, do Tribunal de Justiça do Maranhão, que acatou a Ação de Nulidade de Greve com Tutela de Urgência movida pelo Município de São Luís.  

    (Com informação do portal do Sindeducação)

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo