Blog do Garrone

O medo de Sarney, o combate à corrupção e as saudosas trevas do regime militar no País

liberdade-medo

Sarney: um santo

                 Sarney: um santo

Sarney realmente é uma graça. Em artigo “O medo como intimidação”, publicado na edição deste final de semana no jornal O Estado do Maranhão (Leia Aqui), ele faz um malabarismo histórico e filosófico sobre o medo como instrumento de poder e opressão para remeter a transparência e o combate à corrupção promovidos pelo governo Flávio Dino à Idade das Trevas, “quando bastava uma suspeita para um massacre”; ameaça que se repete nos regimes totalitários.

Acostumado com a impunidade adquirida durante a ditadura militar, que ele apoiou, se beneficiou e esquece de fazer referência em seu artigo, o velho morubixaba justifica o pavor da prisão que ronda a cabeça da sua filha Roseana, acusada pelo Ministério Público de compor uma organização criminosa que saqueou os cofres públicos, ao uso do medo como instrumento de poder no Maranhão, utilizado politicamente para perseguir adversários.

“Todos têm medo: os comerciantes têm medo das fiscalizações dirigidas; os políticos têm medo das comissões de inquérito, semelhantes às da Inquisição, que levavam às fogueiras; os funcionários têm medo das ameaças e das demissões; cada cidadão tem medo de uma forma de perseguição”, escreve, ignorando o velho ditado popular, quem não deve, não teme.

Sarney olha o céu ao lado dos generais, dentre eles Leonidas Pires Gonçalves, ex-chefe do Doi-Codi, órgão acusado de vários assassinatos durante o regime militar

Sarney olha o céu, enquanto o risonho general Leonidas Pires Gonçalves, chefiava o Doi-Codi, órgão acusado de assassinar vários líderes comunistas durante o regime militar

Com sua erudição de almanaque Capivarol, ele chega mesmo a partir para a intencional ignorância ao recorrer à criminosa campanha difamatória dos militares contra os comunistas para comparar o regime stalinista com o PC do B, partido do governador Flávio Dino, que o próprio tirou da clandestinidade ao assumir a Presidência da República, com a morte de Tancredo Neves.

” Nada fez mais medo, nem a guerra nuclear, que o regime encarnado em Stalin, que matou mais de 30 milhões de pessoas. Será que alguém pensa que o comunismo pode renascer no Maranhão?, vocifera.

Mas de uma coisa ele não deixa de ter razão: o medo de acabar na cadeia ao lado de sua filha para pagar por seus crimes durante o exercício da vida pública.

Um comentário sobre “O medo de Sarney, o combate à corrupção e as saudosas trevas do regime militar no País

  1. MACABEU NETO

    Sarney é um morto insepulto politicamente, já preencheu sua biografia com um pedido de prisão por obstrução da justiça, só falta a tornozeleira eletrônica, para a desmoralização total e fechar ‘o currículum’. Medíocre em todos os sentidos, Sarney é um professor de maldade, tem uma profissão mas é analfabeto, desprovido de talento, está abaixo mas abaixo de um boçal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *