Blog do Garrone

Lobão na lista da “delação do fim do mundo” entregue por Janot ao STF

Pelo menos cinco ministros do governo Temer, os presidentes da Câmara e do Senado,               dois ex-presidentes da República, dois ex-presidenciáveis do PSDB.

O ex-ministro e senador, Lobão, na lista dos denunciados pela PGR

(O GLOBO) – A lista que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) atinge os principais partidos e deve espalhar a Lava-Jato pelo país. No total, Janot pediu nesta terça-feira que sejam abertos 83 inquéritos no STF contra autoridades com foro na Corte. Em outros 211 casos, ele sugere que os citados sejam investigados em várias instâncias do Poder Judiciário. A decisão dependerá do ministro do Edson Fachin, do Supremo, a quem cabe autorizar as investigações e remeter os demais casos para outros tribunais.

Os políticos — estima-se que sejam pelo menos 170 — aparecem nas delações de 78 ex-executivos da Odebrecht. Na lista estão os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-geral da presidência), Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Bruno Araújo (Cidades) e Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia). Do Congresso, a lista começa pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Pessoas com acesso à investigação confirmaram ainda que houve pedido para investigar os senadores do PMDB Renan Calheiros (AL), Edison Lobão (MA) e Romero Jucá (RR), esse último atual líder do governo no Senado.

Ao STF, Janot também pediu abertura de inquérito contra os ex-candidatos do PSDB à Presidência da República José Serra (SP) e Aécio Neves (MG). Há ainda indicação para que a primeira instância da Justiça Federal investigue os ex-presidentes da República Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff e ainda os ex-ministros da Fazenda Antônio Palocci e Guido Mantega, todos do PT. Os pedidos do procurador-geral estão baseados em 950 depoimentos, e-mails, planilhas, cópias de mensagens e outros documentos de executivos da Odebrecht.

Num pedidos de inquérito, Janot deverá investigar o jantar oferecido pelo presidente Michel Temer, no Palácio do Jaburu, a Marcelo Odebrecht e Claúdio Melo, ex-presidente e ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht. Em um dos depoimentos da delação premiada, Melo disse que, durante o encontro, Temer pediu dinheiro para financiamento de campanha eleitoral de 2014. Marcelo teria acertado mais tarde repassar R$ 10 milhões. Deste total, R$ 6 milhões teriam sido destinados ao ministro Eliseu Padilha. O restante ao presidente da Fiesp, Paulo Skaf, ex-candidato do PMDB ao governo de São Paulo.

Padilha é um dos alvos centrais do inquérito, apontado como um dos autores do pedido do dinheiro. Mas não está claro ainda qual tratamento será dado a Temer. Pelo entendimento de procuradores da Lava-Jato, presidente da República não pode ser investigado por fatos anteriores ao mandato. Temer também não pode ser simplesmente excluído do inquérito porque coube a ele promover o jantar. Procuradores consideram uma questão menor saber se o presidente pediu ou não dinheiro aos executivos da Odebrecht. Para efeitos penais, a simples organização do jantar teria criado condições para o pedido aos executivos.

                                 OS ALVOS DE PEDIDOS DE INQUÉRITOS

PMDB

EUNÍCIO OLIVEIRA, PRESIDENTE DO SENADO

ELISEU PADILHA, MINISTRO DA CASA CIVIL

MOREIRA FRANCO, MINISTRO DA SEC. GERAL

EDISON LOBÃO, SENADOR

ROMERO JUCÁ, SENADOR

RENAN CALHEIROS, SENADOR

PT

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, EX-PRESIDENTE

DILMA ROUSSEFF, EX-PRESIDENTE

GUIDO MANTEGA, EX-MINISTRO

ANTONIO PALOCCI, EX-MINISTRO

PSDB

AÉCIO NEVES, SENADOR

JOSÉ SERRA, SENADOR

BRUNO ARAÚJO, MINISTRO DAS CIDADES

ALOYSIO NUNES FERREIRA, MINISTRO DAS REL. EXTERIORES

DEM

RODRIGO MAIA, PRESIDENTE DA CÂMARA

PSD

GILBERTO KASSAB, MINISTRO DAS CIDADES

Parlamentares, ministros e outros políticos citados na lista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, adotaram um discurso oficial cauteloso ao serem questionados sobre os pedidos de abertura de inquérito. Alguns disseram-se à disposição para esclarecimentos, outros declararam que só se manifestarão após acesso ao teor das delações e houve quem não foi encontrado ou não retornou.

 

 

Um comentário sobre “Lobão na lista da “delação do fim do mundo” entregue por Janot ao STF

  1. Macabeu

    Esse LOBÃO nao tem mais jeito, se enterrou na lama da corrupção e está morto e sepultado. Nao encara nem mais seus neto de tanta vergonha que eles aente por este seco. Lobao perdeu o que tinha de mais precioso; vergonha; mas dizem que vergonha só sente quem tem,LOBÃO essa figura magérrima é o símbolo da degradação humana, esse objeto é desses politico que nos atormenta com sua presença na politica e que impede que nos tornemos uma sociedade avancada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *