Logo
  • AD AETERNUM

    Em trâmite desde 2018, CNJ retira mais uma vez de julgamento rumoroso processo contra Nelma Sarney e Clesio Cunha

    Instaurado por unanimidade na sessão do Conselho Nacional de Justiça dia 6 de novembro de 2018, Processo Administrativo Disciplinar contra a desembargadora Nelma Sarney e o juiz Clesio Cunha foi no último dia 14 de fevereiro mais uma vez retirado de julgamento na plenária do conselho. O PAD 0000044-82.2019.2.00.0000 foi incluído da pauta dia 8 de fevereiro, seis dias antes, pelo próprio relator Mauro Pereira Martins.

    A primeira mudança súbita no julgamento foi motivada por um pedido de vistas misterioso durante sessão ordinária de 19 de outubro de 2021. O autor do pedido não consta da movimentação do processo disponibilizado pelo site do CNJ, tampouco aparece na sessão transmitida pela TV Justiça.

    A razão do não julgamento também não veio a publico na sessão ordinária do dia 14, transmitida pelo canal da Justiça. Na movimentação processual e no link das decisões de sessões consta apenas que o caso foi retirado de pauta.

    Nelma Sarney e Clesio Cunha são suspeitos de favorecer José Mauro Bezerra Arouche em decisões revertendo a sua reprovação em concurso público para tabelião em 2008. Arouche era assessor da desembargadora e recorreu dos resultados das provas ainda em 2009, com pedido de liminar para que suas respostas fossem revisadas.

    A revalidação, no entanto, não mudou os resultados. A pedido, o processo foi encaminhado para o gabinete da desembargadora até ser definidamente arquivado em 2011.

    Com a eleição de Nelma Sarney para a Corregedoria do Tribunal de Justiça em 2014, Arouche protocola um novo processo pedindo, desta vez, a revisão da sua nota.

    É quando entra em cena o juiz Clesio Cunha.

    Por decisão da corregedora, Cunha cobre às férias do titular da 5ª Vara da Fazenda Púbica e fica responsável por julgar o novo pedido de Arouche.

    Segundo o relatório do então corregedor do CNJ, responsável pelo pedido de abertura do PAD, Humberto Martins, a magistrada se aproveitou do seu poder e fez uma série de manobras para favorecer o seu ex-assessor. Tudo com a luxuosa colaboração de Clesio Cunha.

    Através da Lei de Acesso à Informação, o site Intercept publica passo a passo do intricado trâmite que garantiu o cartório de Buriticupu para José Mauro Bezerra. (Leia Aqui).

    Cuidado para não cair os cabelos.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo