Blog do Garrone

Datafolha: Lula sobrevive a massacre, amplia liderança e Folha já fala em condenação

  Lula sobrevive ao massacre da mídia e amplia liderança para 2018, segundo Datafolha

Capa do jornal Folha de São Paulo deste domingo, com resultado de pesquisa

É impressionante o malabarismo do jornal Folha de São Paulo para divulgar a primeira pesquisa Datafolha após a propagação em vídeo das delações da Odebrecht e OAS, com a ampliação da liderança do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) para 2018.

Embora registre na manchete, a Folha deu mais destaque ao crescimento de Bolsonaro (PSC-RJ), que apareceu no segundo lugar, empatado tecnicamente com a ex-senadora Marina Silva (Rede).

Sobre o aumento das intenções de votos do petista de 25% ou 26% para 30%, de acordo com o cenário da pesquisa, só é tratado no 13º parágrafo, logo após o 12º onde o matutino diz que “o ex-presidente mostra resiliência enquanto surgem relatos de sua relação com a construtora OAS e tendo a possibilidade de ficar inelegível se for condenado em duas instâncias na Lava Jato”.

Como as delações e o massacre midiático não atingiram Lula, só restou ao jornal paulista, a um ano de cinco meses das eleições, levantar essa hipótese como uma espécie de solução contra a sua provável eleição. E apresenta um levantamento sem o nome do ex-presidente.

No caso dos presidenciáveis tucanos, Aécio Neves e Geraldo Alckmim, a Folha não ventila a possibilidade de condenação, mas tão somente que o nome do prefeito paulistano, João Doria, surge como índices mais competitivos, porque os dois foram atingidos em cheio pelas delações da Lava Jato.

Um outro aspecto curioso foi o que avaliou o governo Lula como o que mais registrou corrupção, em um levantamento estimulado sem o nome do ex-presidente Sarney.

Não é à toa, que a ombudsman da Folha, Paula Cesarino Costa, foi fatídica ao analisar a cobertura  tendenciosa do jornal sobre a paralisação nacional contra as reformas trabalhista e previdenciária:

“Na sexta-feira, o bom jornalismo aderiu à greve geral. Não compareceu para trabalhar”.

O Datafolha fez 2.781 entrevistas, em 172 município, na quarta (26) e quinta (27).  A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *