Logo
  • Notícias

    Fama nacional: Weverton é perfeitamente bolsonarista, diz jornalista do grupo Folha

    Senador tenta minimizar bolsonarismo latente à micuinha provinciana

    Montagem ilustrativa

    A fama de bolsonarista do senador Weverton Rocha (PDT-MA), nova no Maranhão, corre há tempos nos corredores e nas rodinhas do poder em Brasília. Tanto que esta semana, no podcast da revista Piauí – uma publicação que pertence ao Grupo Folha -, a jornalista Thais Bilenky classificou Weverton como “perfeitamente bolsonarista”.

    Bilenky, que apresenta o podcast acompanhada dos jornalistas Fernando de Barros e Silva e José Roberto de Toledo, descreve Weverton como “um senador que trocou o Lula pelo Bolsonaro” para disputar a eleição contra Carlos Brandão (PSB), candidato indicado por Flávio Dino (PSB).

    Ainda segundo a jornalista, com a ascensão dos Bolsonaro ao poder, Weverton entrou no círculo de Flávio Bolsonaro e do bolsonarismo em Brasília. “No Maranhão ele não é declaradamente Bolsonaro, mas em Brasília ele é perfeitamente bolsonarista”, disse.

    LEIA MAIS

    Candidato de Ciro Gomes no Maranhão acena ao bolsonarismo em vídeo

    No programa, os jornalistas comentam o tráfico de influência e crime fiscal no Ministério da Educação (MEC) e favorecimento ilícito na Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba) – estatal entregue por Bolsonaro ao Centrão, que tem em Weverton um dos membros de maior ascensão do grupo.

    Bilenky conta que Weverton Rocha é próximo do pastor Gilmar Moura, que era o chefe do esquema de corrupção no MEC, que derrubou o ministro, e lembra que o pedetista foi um dos três senadores que retirou assinatura da CPI para impedir as investigações dos pastores lobistas.

    A jornalista cita ainda o caso Engefort – empresa campeã de licitações na Codevast, que tem sede em Imperatriz, cujo prefeito é aliado de primeira hora de Weverton – e faz uma revelação curiosa: Imperatriz recebeu quase 14 vezes mais emendas que São Luís. Somente em 2021 foram R$ 14 milhões contra R$ 1,5 milhão.

    Dono de uma poderosa rede de comunicação no Maranhão, composta por rádios, TVs e blogs, Weverton está armado para atacar quem o taxa como bolsonarista. Mas em Brasília, faz arminha.

    Ouça o comentário da jornalista
    Weverton se deixa fotografar com ministro Queiroga e foto de Bolsonaro ao fundo

    Secretário de fomento à cultura promete R$ 1 bilhão da Lei Rouanet para conteúdo pró-arma

    Lei Rouanet vai ser usada para conteúdo cultural sobre armas de fogo/ Foto: Reprodução

    Por Alice Maciel e Bruno Fonseca (Agência Pública)

    Ao lado do ex-secretário Mário Frias, o então número dois da pasta, André Porciuncula, pediu que armamentistas usem recursos da Lei Rouanet para conteúdos audiovisuais pró-armas

    “Pela primeira vez, vamos colocar dinheiro da Rouanet em eventos de arma de fogo”, afirmou Porciuncula

    Megaevento de comemoração de 200 anos da independência do Brasil será oportunidade para conteúdos audiovisuais pró-armas, apontou ex-secretário

    “Se a gente acredita em armas, a gente precisa criar os heróis”, disse Mario Frias sobre conteúdos pró-armas

    “Pela primeira vez vamos colocar dinheiro da Rouanet em eventos de arma de fogo, vai ser super bacana isso”. A fala é de André Porciuncula, então secretário nacional de Incentivo e Fomento à Cultura, e o responsável por analisar e aprovar propostas que desejam se enquadrar na Lei de Incentivo à Cultura, conhecida como Lei Rouanet. A promessa foi feita durante a Convenção Nacional Pró-armas, realizada no dia 28 de março deste ano, quando ele ainda ocupava o segundo cargo mais importante da Cultura no país.

    Segundo Porciuncula, o governo tem R$ 1,2 bilhão para dois “megaeventos”, dinheiro que pode ser usado, segundo ele, por criadores de conteúdos pró-armas. “Estamos lançando agora, de linha audiovisual, que vocês podem usar para fazer documentários, filmes, webséries, podcasts, para quê? Para trazer a pauta do armamento dentro de um discurso de imaginário. Trazer filmes sobre o armamento, da importância do armamento para a civilização, a importância do armamento para garantir a liberdade humana”, afirmou.

    A referência, no caso, seriam as comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil, que será celebrado em setembro deste ano, um mês antes das eleições. “Estamos lançando na secretaria especial de cultura dois megaeventos em que a princesa do evento é a arma de fogo, o presidente da República vai estar […] A arma de fogo foi fundamental pra que garantíssemos a nossa independência. Então trazer um evento em que a arma de fogo seja a nossa miss na passarela, que a gente mostre para população um outro olhar sobre a arma de fogo”, defendeu.

    Oficialmente, a Secretaria de Cultura anunciou um edital de R$ 30 milhões para produções audiovisuais sobre o bicentenário. Segundo o texto, podem ser documentários, filmes de ficção ou animações de curta e longa metragem que tenham o tema da independência. A Agência Pública questionou a pasta sobre o financiamento de R$ 1,2 bilhão prometido pelo ex-secretário, que ainda não retornou.

    “Chamo aos senhores a usarem a Lei Rouanet, que é uma lei de incentivo tributário também, para que vocês que possuem contatos com empresários ou então que sejam empresários, financiem eventos pró-armas com a Lei de Incentivo, eventos culturais sobre a arma de fogo com a Lei de Incentivo. Sejam agentes modificadores”, convocou Porciuncula.

    ELEIÇÕES 2022: PT, PCdoB e PV registram federação “Brasil da Esperança”

    Foto de Lula sorrindo durante uma coletiva de imprensa/Ricardo Stuckert

    Publicado por Diário do Centro do Mundo

    A federação entre o PT, PCdoB e PV será registrada oficialmente nesta segunda-feira (18). Os três partidos finalizaram o estatuto e o programa da Federação Brasil da Esperança. Os documentos que conclui a união das três siglas foram aprovados neste domingo (17).

    Ficou definido que Gleisi Hoffmann (PT) comandará a federação, enquanto Luciana Santos (PCdoB) ocupará o cargo de vice-presidenta. O segundo vice ficará nas mãos de José Luíz Penna (PV).

    No próximo mês, a federação indicará o nome de Luiz Inácio Lula da Silva como pré-candidato à presidência da República. Geraldo Alckmin, será o vice, mesmo sendo do PSB, partido que não aceitou participar da formalização da federação.

    Confira abaixo a nota do PT, PCdoB e PV sobre a federação:

    NOTA À IMPRENSA

    As direções nacionais do PT, PCdoB e PV registram nesta segunda-feira (18) o estatuto e o programa da Federação Brasil da Esperança (FE Brasil). Os documentos foram aprovados em reunião no último domingo.

    A Assembleia Geral da Federação, órgão máximo de deliberação, será composta por 60 membros, sendo 9 vagas distribuídas igualmente (3 por partido) e 51 distribuídas na proporção dos votos obtidos por cada partido nas eleições para a Câmara dos Deputados de 2018.

    As deliberações da Assembleia Geral serão tomadas por maioria de três quartos de seus membros.

    Na composição da Assembleia Geral, cada partido terá de indicar no mínimo 30% de mulheres e no mínimo 20% respeitando o critério étnico-racial.

    A Comissão Executiva Nacional da Federação terá 18 membros. Os presidentes de cada um dos partidos são membros natos da comissão e as outras 15 vagas seguirão à proporção dos votos obtidos na eleição para a Câmara de 2018.

    A primeira presidenta da FE Brasil será a deputada Gleisi Hoffmann (PT); a primeira vice-presidenta, Luciana Santos (PCdoB), e o segundo vice, José Luís Penna (PV).

    O mandato é de um ano, com rodízio entre os presidentes de cada um dos partidos, podendo haver recondução por decisão unânime.

    Os partidos da FE Brasil atuarão em conjunto no Congresso e na sociedade para promover a reconstrução do país, a defesa da soberania nacional, da democracia e dos direitos do povo, para fortalecer a candidatura do presidente Lula e sua base parlamentar”. 

    Depois de fazer cotinha online, escritora lança livro infantil ambientado nos 4 municípios da Ilha

    Érica Natacha: Do Liceu a mestrado em Geografia no Rio Grande do Sul

    Na sua primeira incursão como escritora de livros infantis, a ludovicense, mestra em Geografia pela universidade e santa Maria no Rio Grande do Sul   e acadêmica do curso de administração da UFMA, Érica Natacha, navegou pelo universo da infância contando para as meninas e meninos, um pouco sobre os quatro municípios que formam a ilha do Maranhão.

    Inovou em muito com o seu Livro infanto juvenil “As aventuras de Riba na Ilha do Maranhão”, pois de pronto trouxe à tona a terminologia Ilha do Maranhão que, para os geógrafos, é a denominação correta, ante a  forma costumeira de designá-la, como a ilha de São Luís.

    \No seu primeiro livro, Érica Natacha traz informações sobre questões geográficas, históricas e culturais dos municípios da divisão administrativa que compõe a ilha do Maranhão, tal como o título do livro não deixa esquecer.

    Como destacou o professor da UFMA, Manuel Alfredo Medeiros,   “em uma abordagem lúdica, agradável e muito instrutiva, Érica Natacha forja um personagem, o menino Riba, um maranhense, mestiço, ansioso em conhecer os fascinantes detalhes da região de sua origem”.

    A Publicação do livro foi uma vitória dessa escritora que, sem recursos, nem apoio oficial ou empresarial, foi em busca de um financiamento coletivo na internet, onde levantou os valores  para a impressão dos primeiros exemplares, com a contribuição de pessoas de todas as partes do Brasil, que apostaram no projeto.

    Exemplares estes que já estão sendo vendidos, inclusive para escolas da ilha do Maranhão, que estão incluindo a obra na sua grade extracurricular para completar a formação das crianças e jovens no estudo da geografia do Maranhão e nas atividades transversais, que envolvem também os temas especiais debatidos nas escolas, como meio ambiente, educação para o trânsito, direitos humanos, educação sexual, educação fiscal e financeira, entre outros.

    A maranhense Érica Natacha que foi estudante do Liceu Maranhense, e se formou em Geografia pela UFMA. E concluiu mestrado pela Universidade Federal de Santa Maria no Rio Grande do Sul. O livro, “As aventuras de Riba na Ilha do Maranhão”, está à venda nas livrarias AMEI (Shopping São Luís) e Mundo de Sofia (Ilha e Golden Shopping), livraria da Fox na cidade de Belém e diretamente com a autora por meio das suas redes sociais. Instagram: eryka_natacha e Facebook @ericanatacha.escritora. E-mail erykanatacha@outlook.com

    A PF, o desvio de emendas e o adversário comunista na inocência delirante de Roberto Rocha

    O mundo colorido de Roberto Rocha

    Incluído entre os investigados de desviar emendas destinadas à Saúde, o senador Roberto Rocha (PTB) negou ao jornal O Estado de São Paulo qualquer envolvimento com o caso, atribuindo a menção de seu nome no inquérito ao seu “adversário comunista”.

    O comunista é o governador Flávio Dino (PSB), responsável pela eleição de Rocha ao senado em 2014 e alvo de sua traição, pouco meses depois de eleito.

    A inclusão do nome de Rocha no rol dos investigados foi uma decisão do ministro do STF Ricardo Lewandowski, com base em manifestação da Procuradoria-Geral da República.

    A PGR passou a defender a inclusão do senador maranhense na investigação após relatório da Polícia Federal mostrar citações ao nome de Roberto Rocha em mensagens de WhatsApp trocados entre os suspeitos investigados.

    LEIA MAIS

    STF inclui corregedor do Senado em apuração sobre possível desvio de emendas parlamentares

    Senador bolsonarista vira alvo da PF em inquérito sobre desvios de emendas

    No mês passado a Polícia Federal realizou operação de busca e apreensão em endereços ligados a Josimar Maranhãozinho (PL-MA), Pastor Gil (PL-MA) e Bosco Costa (PL-SE), suspeitos de montar esquema para desviar emendas parlamentares.

    De acordo com o relatório de análise de material apreendido durante essa operação, Josival Cavalcanti da Silva, o conhecido Pacovan, apontado pela PF como agiota, enviou imagens onde aparecem, entre outras, uma tabela identificada como “Roberto Rocha” e os nomes de “Magla”, “Bela Vista” e “Milagres do MA”; ao lado de valores que somam R$ 980mil e uma única data (4/11/2019) em todas as situações.

    A Procuradoria afirmou que os repasses e possível desvio de recursos aos municípios nos quais consta a referência a Rocha ocorreu em 2019.

    Desta vez, através de nota de sua assessoria de imprensa, Rocha não faz referência ao seu adversário comunista, mas não deixa de surpreender pelo malabarismo verbal.

    Diz que só conhece Pacovan, como “um empresário do Maranhão, com quem não tem nem jamais teve qualquer relação comercial”.

    É verdade, agiotagem não é uma relação comercial, é um crime contra a economia popular (Lei 1.521/51).

    Sobre suas emendas e os nomes dos municípios que aparecem nas trocas de mensagens de Pacovan, “um empresário do Maranhão”, a nota chega a ser sublime.

    “Ao longo de quase oito anos de mandato o senador já enviou recursos para quase a totalidade dos municípios do Maranhão”!

    Vinte e seis anos do massacre de Eldorado dos Carajás são lembrados em atos pelo país

    Episódio, que se tornou marco na agenda de lutas populares do país, pautou protestos em diferentes estados

    Segundo registros, o judiciário brasileiro nunca havia se deparado com situação análoga ao processo de Eldorados dos Carajás, pela sua complexidade – J.R. Ripper

    Cristiane Sampaio (publicado no Brasil de Fato)

    Diversas mobilizações pelo país relembraram os 26 anos do massacre de Eldorado dos Carajás, quando 21 trabalhadores rurais foram assassinados no sudeste do Pará, em 17 de abril de 1996, por reivindicarem reforma agrária. A data, lembrada a cada ano ano, se tornou um marco na agenda de lutas populares do país.

    Neste domingo (17), o coletivo “Arte pela Democracia” realizou uma intervenção artística na região central da capital paulista, no Parque Augusta e arredores. A performance, com música, bonecos e leitura de livros, lembrou o massacre dos sem-terra e os seis anos do golpe parlamentar que depôs a ex-presidenta Dilma Rousseff (PT).

    Em outras cidades paulistas também ocorreram atos para lembrar a memória dos trabalhadores mortos. No sábado (16), o bosque Neusa Paviato, localizado no assentamento Mário Lago, em Ribeirão Preto, recebeu 21 mudas de ipê amarelo que simbolizaram os 21 assassinados.

    Na mesma data, militantes da reforma agrária se reuniram na ocupação Gercina Mendes, em Mirante do Paranapanema (SP), para um ato simbólico que rememorou o caso de Eldorado dos Carajás. A agenda local contou ainda com atividades infantis e debate sobre o tema.  

    Sábado também foi dia de ações em cidades paranaenses. Porecatu, Florestópolis e Centenário do Sul foram palco de uma marcha com partilha de alimentos. A mobilização aglutinou diferentes comunidades para lembrar a morte dos trabalhadores rurais em 1996.

    Em Cuba, data foi resgatada com ato simbólico que plantou árvores / MST/Divulgação

    Mobilização internacional

    A memória dos trabalhadores assassinatos em Carajás também foi relembrada em Cuba, nas cidades de Havana e Bayamo. Nelas, manifestantes plantaram árvores em homenagem e memória dos sem-terra mortos.

    A iniciativa integrou as ações da chamada Jornada Nacional de Lutas em Defesa da Reforma Agrária, que este ano evoca o lema “Reforma agrária popular: por terra, teto e pão”.

    Coletivo de arte tocou músicas para evocar tema da luta por reforma agrária e lembrar os mortos no massacre / Guilherme Gandolfi/ @guifrodu

    Coletivo de arte tocou músicas para evocar tema da luta por reforma agrária e lembrar os mortos no massacre / Guilherme Gandolfi/ @guifrodu

    Agenda

    A agenda de mobilizações segue ao longo da semana. Na próxima terça-feira (19), em Salvador (BA), no auditório da Assembleia Legislativa da Bahia, ocorrerá um ato em memória dos trabalhadores vitimados no massacre.

    A ação é organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) em parceria com a deputada estadual Fátima Nunes e forças políticas locais. Os participantes irão receber o público que desde o último dia 11 está marchando do município de Feira de Santana (BA) até Salvador para lembrar o tema da reforma agrária.

    Presidente e líder do governo na Câmara de SL retaliam Braide por demora em declarar apoio à candidatura de Weverton

    As ausências do presidente da Câmara Osmar Filho (PDT) e do líder do governo Raimundo Penha da fatídica sessão de quarta-feira, 13 – onde até de demônio o prefeito foi chamado – foram em retaliação à demora de Eduardo Braide em declarar apoio à Weverton, no propósito de ocupar a qualquer custo o Palácio dos Leões.

    Diante da iminente falência múltipla da candidatura ao governo em consequência da perda das insubstituíveis bases de sustentação eleitoral, o PDT cobra com urgência o pagamento da fatura pelos serviços de apoio prestados no segundo turno das eleições municipais de 2020.

    A expectativa é que a aplicação imediata de sangue novo reanime a moral da tropa e, embora as chances não sejam grandes, evite o desastre de Weverton ter que colocar a língua no saco antes do final da eleição, marcado para o dia 30 de outubro. Caso o saldo de votos do 1o colocado não garanta a vitória ainda na etapa inicial.

    O problema de pressionar pela ausência, prática comum a essa espécie de agiotagem eleitoreira, é que atinge muito mais a população do que o prefeito; no caso do imbróglio acontecer em meio a situações que envolvem o direto à vida.

    Penha diz na Mirante que apoio à candidatura Weverton foi acordado no 2º turno das eleições 2020

    Em nome do Weverton, do Weverton e do Weverton Rocha, Amém

    Ao assumir a liderança no dia 5 de março, Raimundo Penha admite em entrevista à TV Mirante o viés político por trás da sua indicação.

    Diz que ela é parte de um processo de aliança em prol à candidatura de Weverton, iniciado ainda no segundo turno das eleições municipais, com o apoio do PDT à candidatura Braide.

    “Nós fizemos uma escolha de um prefeito para governar a cidade por 4 anos. Não é algo que de manhã, você junta, e de tarde, você separa”, filosofa, todo sorridente frente às câmeras

    A repercussão instantânea nas redes sociais da reportagem veiculada em rede nacional na terça-feira,12, pela TV Globo, sobre o abandono da saúde pública em São Luís, torna evidente que as ausências de Osmar Filho e Raimundo Penha foram intencionais e atendiam algum propósito.

    Com os depoimentos de internos e familiares e as imagens degradantes do lixo hospitalar acumulado ao lado dos ‘quartos’ e do esgoto a céu aberto correndo abaixo das janelas do Socorrão II; não era preciso ter bola de cristal para prevê que Eduardo Braide seria escorraçado na sessão da manhã seguinte, quarta feira.

    Se, apesar do embate anunciado, o presidente e o líder do governo não compareceram ao plenário, no mínimo, para evitar os excessos e defender o prefeito, é o de menos.  Pouco me importa o que o traído diz do traidor, se o protetor deixou o protegido entregue às cobras.

    Ao se ausentarem da sessão, Osmar e Penha se ausentaram na verdade foi da defesa dos interesses da população. Um descaso, de acordo com à gravidade de um problema que ‘só’ atinge a população que não pode pagar plano de saúde e depende do serviço público.

    Vereador diz que Braid se transformou em um verdadeiro satanás

    A sessão do dia 13 se transformou em uma espécie de descarrego

    Bastante indignado, o vereador Umbelino Júnior (PL), chegou a dizer que o prefeito era o próprio satanás. (a sessão completa você no final da matéria)

    Presidente da Comissão de Saúde, ele disse que se arrependimento matasse, ele estaria morto, por ter votado e pedido voto a um homem que parece um Satanás.

    “O diabo foi um dos anjos mais belo da criação do nosso Deus. Era muito bonito, mas a gente sabe como é que foi o fim dele, como é que ele desceu.

    A tua maquete foi linda Braid, mas tu te transformas-te em um verdadeiro Satanás”.

    A gestão Braide que já vinha enfrentando as crises nas áreas do transporte e da educação, com as greves de motoristas de ônibus e dos professores da rede municipal de ensino, entrou em colapso com a denúncia de abandono também na área da saúde.

    O correto exercício dos papéis de presidente do poder Legislativo e de líder do governo é fundamental para a superação da crise e correção de eixo na gestão municipal. Através do diálogo, quando possível.

    No entanto, desgraça pouca é bobagem.

    Enquanto o estado de calamidade sanitária do Socorrão ameaça a vida de quem procura escapar da morte, o prefeito administra a cidade fazendo pose, o líder do governo prefere distribuir peixe e o presidente da casa, não se tem notícia.

    Foi preciso que uma emissora de TV dissesse que o Rei estava Nú!

    Assista a sessão de descarrego contra Braid
    Reveja a matéria da Globo que mostra o descaso com a Saúde por trás da capital da vacina

    Matéria da Globo sobre abandono da saúde na gestão Braide expõe o outro lado da capital da vacina

    O risco da gestão Eduardo Braide continuar administrando São Luís como um faz de conta é provocar uma tragédia, quando a brincadeira envolve a saúde pública.

    Na mesma tarde que o Jornal Hoje veiculou matéria denunciando a situação do hospital Clementino Moura, o Socorrão II, o secretário municipal de Saúde, Joel Nunes correu aos estúdios da Rádio Mirante para relativizar o estado de abandono e sujeira exibido nas imagens da TV Globo.

    ”É preciso entender de onde nós partimos e onde nós estamos, para que a gente possa ver de maneira sincera, real e não apaixonada ou política, os avanços que aconteceram já na saúde São Luís”, disse Joel  ao programa Abrindo o Verbo.

    O secretário considera que diante da situação que o prefeito Eduardo Braide recebeu a saúde do município,  “houve uma evolução gigantesca. Desde a atenção primária, chegando aos hospitais”.

    Nunes cita números de atendimento, diminuição do tempo de consultas e cirurgias e da reforma padrão executada na ala C do Socorrão Lembra que foram reformados 32 leitos.

    ASSISTA A MATÉRIA DO JORNAL HOJE

    O secretário, no entanto, ignora que o problema exposto pela matéria da TV Globo, é o risco de contaminação, provocado por baratas, ratos e lixo hospitalar acumulado ao ar livre.

    Ao jornal Hoje, Joel Nunes disse através de nota somente que a prefeitura tem contrato com duas empresas para o recolhimento do lixo.  

    Gestão Photoshop 

     A falta de gestão da Prefeitura de São Luís gerou uma onda de críticas de deputados contra o prefeito Eduardo Braide.

    “É cruel o que as pessoas estão passando no Socorrão II, em São Luís. Insetos e ratos dentro do hospital é inacreditável. Falta de limpeza, higiene e manutenção básica é um problema de gestão e falta de sensibilidade”, disparou o deputado estadual Duarte Júnior.

    “E como se não bastasse o descaso do ‘Prefeito Photoshop’ no Socorrão I, a dura realidade do Socorrão II também foi mostrada em cadeia nacional. Em matéria exibida no Jornal Hoje, na Rede Globo, pacientes denunciam o completo descaso da unidade de saúde. Como dá pra ver, sem maquiagem e sem Photoshop, a realidade é completamente diferente do Instagram de Eduardo Braide”, criticou Yglésio.

    Ao encerrar a matéria, o âncora do JH, o jornalista César Tralli, foi categórico:  

    ‘É cruel, é desumano, o que as pessoas passam em um hospital assim. Limpeza, higiene e manutenção básica, é um problema sério de gestão; não é de reforma do hospital”.

  • Deu no D.O

    • A coluna Deu no D.O. está no ar com os generosos contratos dos nossos divinos gestores públicos. Dos caixões (R$ 214 mil) de Itapecuru-Mirim ao material de limpeza de Coroatá (R$ 2 milhões), ainda figuram Viana, Matões, Porto Rico e São José de Ribamar. 
  • Fale com o Garrone

    (98) 99116-8479 raimundogarrone@uol.com.br
  • Rádio Timbira

    Rádio Timbira Ao Vivo